Tinga, Clemer e Bolívar relembram conquista da Libertadores 2006 de um jeito inédito

Reza a lenda que o dia 16 de agosto de 2006 jamais teve fim. Por algum motivo desconhecido ou não, os astros se cruzaram justo no sublime momento de uma euforia coletiva às margens do Rio Guaíba, eternizando aquele exato instante.

Testemunhas apontam que tudo começou quando um bravo homem alto e de cabelos longos levantou um artefato brilhante sobre a sua cabeça, libertando um grito que ecoa no local até hoje.

Se o dia realmente não teve fim, ninguém confirma, mas também não nega. O fato é que a lenda correu por América Latina afora, virou tradição popular e eternizou os responsáveis pela obra em heróis lendários.

O Canal do Inter reuniu três destes bravos heróis lendários para contar de um jeito inédito a saga da primeira Libertadores colorada. Bolívar, Clemer e Tinga, pilares da conquista, retornaram ao vestiário do Gigante, ou melhor, à casa deles, para uma sessão de cinema e resenha histórica.

Fernandão é o Personagem do Mês do Museu do Inter

Do Gol 1000 em clássicos ao topo do mundo. Das conquistas regionais para os maiores feitos da história do clube. Exemplo dentro e fora de campo. O Personagem do Mês de julho do Museu do Inter é o eterno camisa 9 e capitão colorado: Fernando Lúcio da Costa.

Quando desembarcou em Porto Alegre naquele longínquo 2004, havia esperança. Mas nem o mais otimista dos colorados poderia imaginar o que viria pela frente. Só que o Gol 1000 em clássicos mostrava que tinha algo a mais ali. O camisa 18 daquela partida tinha, na verdade, um 9 tatuado na alma.

Líder dentro e fora dos gramados, Fernandão desbravou os caminhos que nos levaram ao topo da América. Na Copa do Mundo de Clubes, o ídolo, como um grande capitão, foi a testa de sua tropa, combatendo os avanços adversários até o limite de seu corpo. Retirou-se do gramado para a entrada daquele que marcaria o gol da vitória. Até nisso foi predestinado.

Marcou 77 gols nos seus 190 jogos com a camisa rubra. Foi dirigente, técnico e deixou um legado gigante para as gerações futuras de colorados. Em uma fatalidade, perdeu a vida em 2014. Mas jamais deixará nossas memórias e corações. Fernandão é eterno.

Há 58 anos, era lançada a pedra fundamental do Estádio Beira-Rio

O dia 7 de julho de 1963 ficou gravado na memória do torcedor colorado como o dia do lançamento da pedra fundamental do Estádio Beira-Rio. Naquela manhã, diversas gerações de colorados se encontraram no terreno onde se edificaria o estádio anos depois.

As festividades começaram logo na alvorada daquele domingo. Às 7h30, um estourar de fogos anunciou o momento vindouro. Às 9h, o bispo Dom Edmundo Kunz celebrou uma missa campal onde proferiu seu célebre discurso de celebração à diversidade colorada. “Aqui todos serão iguais, sem diferenças ideológicas, políticas, religiosas, sociais – todos serão irmãos”, sentenciou o clérigo. Depois da missa, Archimedes Fortini, famoso cronista esportivo do início do século XX, relembrou os primeiros anos do clube, emocionando os presentes.

Por fim, Ephraim Pinheiro Cabral, orador oficial da solenidade, destacou a atuação de José Pinheiro Borda e Ruy Tedesco, procedendo em seguida ao lançamento da pedra fundamental. Nos anos seguintes o Beira-Rio tomaria forma e conquistaria seu lugar na fotografia de Porto Alegre.

Primeira organização torcedora do sul, DCP completa 81 anos

No dia 14 de junho de 1940 era criado o Departamento de Cooperação e Propaganda (DCP), primeira organização torcedora do sul do país. Diferente das organizações contemporâneas do centro do país, foi muito mais do que a festa nas arquibancadas.

O DCP tinha como objetivos incentivar o time, disciplinar a torcida colorada através de sua estreita ligação com a direção do clube, e apoiar todas as iniciativas do Internacional. Além disso, criava um “bureau de propaganda”, ação pioneira em clubes de futebol naquele período.

Um dos objetivos da parte de propaganda era o crescimento da torcida colorada e a neutralização das torcidas adversárias, o que era feito através de panfletos e charges distribuídos nos locais de encontro dos aficionados por futebol na Porto Alegre, como a Confeitaria Rocco, por exemplo.

Sua faceta mais conhecida, contudo, era como a torcida que fazia um carnaval nas arquibancadas. Vicente Rao inseriu música, fogos e serpentina naquele ambiente para incentivar o time. Aliás, ter um torcedor-símbolo é um dos elementos que aproxima o DCP das demais torcidas da época.

É inegável a contribuição do DCP e de Vicente Rao para a popularização do Internacional, que tanto se orgulha de sua história de inclusão e diversidade.

Texto e imagens: Museu do Inter

Vicente Rao é o Personagem do Mês do Museu do Inter

O Personagem Do Mês de junho do Museu do Inter é ninguém menos que Vicente Rao, grande impulsionador da primeira torcida organizada do sul do país e personagem ímpar da cidade de Porto Alegre. Rao tem sua trajetória ligada ao Internacional de várias formas. Nasceu no dia 4 de abril, mas em 1908, um ano antes da fundação do Clube do Povo. Foi jogador do Clube na segunda metade da década de 1920, tendo feito parte do grupo campeão gaúcho em 1927, primeiro título estadual colorado. Na oportunidade, Rao jogou apenas uma partida, em 1926, e marcou um dos gols. Dizia que era impossível ser titular concorrendo com Ribeiro e Lampinha, meias da época.

Na década de 1930 se afastou do Colorado para fazer parte do Clube Atlético Bancário, mas não abandonou seu amor pelo alvirrubro. Chegou a jogar contra o Inter, mas seu coloradismo falava mais alto, como no episódio em que comemorou um gol do Inter no final do jogo mesmo estando em campo com a camisa do adversário. Foi também nessa época que começou sua trajetória nos blocos de carnaval da capital, com a “Banda Filarmônica do Faxinal” e o famoso “Tira o Dedo do Pudim”. Suas estrepolias eram amplamente noticiadas pelos jornais do período e várias vezes foi destaque em publicações como a Revista do Globo.

Vicente Rao foi o criador do Departamento de Cooperação e Propaganda (DCP)

Na década de 1940, Rao esteve à frente da primeira torcida organizada do sul do Brasil, o Departamento de Cooperação e Propaganda (DCP), introduzindo o carnaval ao estádio, com fogos, serpentinas, papel picado e faixas. Além disso, era responsável por neutralizar a torcida adversária através de estratégias de propaganda. É muito conhecido o episódio em que, sabendo que a torcida do tradicional rival faria festa igual à sua, preparou uma faixa com os dizeres “Imitando os negrinhos, hein?”, que arrefeceu o ânimo dos adversários. Também é muito conhecida a história da cabrita Chica, que Rao fazia questão de levar aos jogos, mesmo quando sua entrada fora proibida.

Foi ainda Rei Momo da cidade de Porto Alegre entre os anos de 1950 e 1972, além de Papai Noel da cidade. E, em 1969, foi um dos fundadores da Camisa 12, tradicional torcida organizada do clube que existe até hoje. Falecido em 1973, virou nome de rua na zona sul, tendo na placa a alcunha que define perfeitamente sua vida: “alegria do povo”.

Vídeo: arte colorada no viaduto da Conceição

Está finalizada a revitalização das pilastras da elevada da Conceição. Ao longo da última semana, o Inter convocou o artista Alan Vieira para grafitar a região com artes que retratam a história dos Eucaliptos, do antigo Beira-Rio e do atual Gigante. O trabalho ainda conta com homenagens aos ídolos Carlitos, Tesourinha e Falcão. Te liga no resultado final!

> Saiba mais sobre a ação

Ex-zagueiro Wilson relembra tempos de Inter

O ex-zagueiro Wilson chegou ao Internacional em 2003 e fez parte da construção da equipe que foi campeã continental e mundial, anos mais tarde. Com a camisa colorada posta, o defensor foi tricampeão gaúcho entre 2003 e 2005. Uma lesão, infelizmente, o impossibilitou de participar mais efetivamente do vitorioso ano de 2006. Em entrevista concedida ao programa Velhas Súmulas, da rádio Colorada, para a edição deste sábado (29/05), Wilson recordou sua trajetória no futebol e período no Inter.

Wilson jogou 133 vezes pelo Inter e fez 7 gols

A entrevista concedida por Wilson ao Velhas Súmulas pode ser conferida no player abaixo:

Sport Club Internacional · Rádio Colorada | Entrevista: Wilson | 29/05/2021

A conversa com o ex-zagueiro Wilson também pode ser acessada no Spotify do Inter.

O programa Velhas Súmulas vai ao ar aos sábados na rádio Colorada geralmente das 14h às 15h30. Durante 90 minutos, entrevistas com personagens da história do Inter, detalhamento de fatos importantes da trajetória do Clube do Povo, além de leituras de trechos de livros, crônicas e textos sobre futebol preenchem as tardes de sábado da emissora oficial do Internacional.

Aos domingos também, quando o programa é reproduzido como reprise. Neste final de semana, a veiculação vai ao ar às 17h30, antecedendo o programa Portões Abertos, prévia da jornada esportiva que relatará a estreia colorada no Campeonato Brasileiro da Série A contra o Sport, marcada para as 20h30 de domingo.

Clique nos links abaixo para conferir entrevistas das últimas edições do Velhas Súmulas:

Além do site do Inter, a emissora oficial do Clube do Povo pode ser escutada via aplicativo.

Confira as primeiras 50 entrevistas do Velhas Súmulas sobre a história do Inter

Rádio Colorada: mais informações sobre a emissora mais vermelha da Web e do FM!

Siga a rádio Colorada no Twitter.

Ex-volante Maycon recorda Celeiro de Ases e títulos no Inter

Formado e campeão no Celeiro de Ases. Também vencedor na equipe principal do Internacional. Assim se desenvolveu a caminhada de Maycon, volante que chegou ao Inter aos 14 anos de idade em 1999, foi campeão mundial sub-15 em 2000 e também participou da conquista dos títulos do Campeonato Gaúcho de 2005, 2008 e 2009, além da Recopa Sul-Americana de 2007 e da Dubai Cup de 2008. Sobre isto e mais, o ex-jogador alvirrubro concedeu entrevista ao programa Velhas Súmulas, da rádio Colorada, para a edição deste sábado (15/05).

A entrevista concedida por Maycon ao Velhas Súmulas pode ser conferida no player abaixo:

Sport Club Internacional · Rádio Colorada | Entrevista: Maycon | 15/05/2021

A conversa com ex-meio-campista Maycon também pode ser acessada no Spotify do Inter.

O programa Velhas Súmulas vai ao ar aos sábados na rádio Colorada geralmente das 14h às 15h30 – neste sábado, excepcionalmente, o programa foi reproduzido a partir das 13h, antecedendo a jornada esportiva de Internacional versus Fluminense, jogo válido pelo Campeonato Brasileiro Sub-17. Durante 90 minutos, entrevistas com personagens da história do Inter, detalhamento de fatos importantes da trajetória do Clube do Povo, reportagens especiais, além de leituras de trechos de livros, crônicas e textos sobre futebol preenchem as tardes de sábado da emissora oficial do Internacional.

Aos domingos também, quando o programa é reproduzido como reprise. Neste final de semana, a veiculação vai ao ar às 13h30, antes do programa Portões Abertos que traz as informações prévias ao Gre-Nal 431, válido pela ida da final do Campeonato Gaúcho.

Clique nos links abaixo para conferir entrevistas das últimas edições do Velhas Súmulas:

Além do site do Inter, a emissora oficial do Clube do Povo pode ser escutada via aplicativo.

Confira as primeiras 50 entrevistas do Velhas Súmulas sobre a história do Inter

Rádio Colorada: mais informações sobre a emissora mais vermelha da Web e do FM!

Siga a rádio Colorada no Twitter.

Seu Gentil é o Personagem do Mês do Museu do Inter

Viva, Seu Gentil!/Foto: Ricardo Duarte

O Personagem do Museu do Inter neste mês de maio é uma figura dona de trajetória de 47 anos dedicados ao Internacional. Chegado ao Clube com 17, em 1974, Gentil de Souza Passos construiu uma história única com o Colorado, merecedora de todas as homenagens que lhe façam reverência.

Convidado por seu Rosa, roupeiro da época, para trabalhar por alguns meses como ajudante, Gentil Passos agarrou a oportunidade com unhas e dentes. Desde então, jamais deixou o vestiário colorado, ambiente sagrado onde conviveu com diversas gerações de craques.

Seu Gentil (D) e Falcão, em 2011

Presente em todos os grandes títulos da história colorada, seu Gentil viveu episódio marcante na final do Mundial de Clubes de 2006. No segundo tempo, quando o placar ainda estava zerado, o roupeiro precisou correr até o vestiário para buscar a camiseta reserva de Índio, zagueiro que acabara de quebrar o nariz. Por sorte, o primeiro uniforme encontrado por Passos foi o do xerife vermelho, que logo trocou de vestimenta e retornou a campo.

Seu Gentil é parabenizado após partida de volta das semifinais da Libertadores de 2010

Gigante, Seu Gentil segue vestindo o manto alvirrubro como uniforme de trabalho. Junto a todos os trabalhadores e trabalhadoras, ele, testemunha ocular e protagonista de nossa biografia, é um dos tantos heróis que engrandecem ainda mais a história do Clube do Povo.

Velhas Súmulas: 50 entrevistas sobre a história do Inter

O programa Velhas Súmulas, da rádio Colorada, chegou a 50 edições neste sábado (01/05). O espaço radiofônico dedicado à história do Internacional, criado em maio de 2020, acumula cinco dezenas de entrevistas e conversas sobre momentos marcantes da trajetória do Clube do Povo.

Para acessar cada conteúdo, basta clicar no nome do/a entrevistado/a:
Abel Braga, Airton Caixão, Alessandro Barcellos, Aloísio, Bagatini, Batista, Beretta, Bibiano Pontes, Bráulio, Caíco, Ceará, Chiquinho, Christian, Claiton, Daniel Carvalho, Daniel Cravo (advogado), Daniel Franco, Dario (“Dadá Maravilha”), Diego, Diogo, Diogo Rincón, Duda Luizelli, Dunga, Elías Figueroa, Francisco Salomón, Gelson Pires (ex-dirigente colorado), Hiran, Iarley, Jair, João Carlos, José Benítez, Kenny Braga (jornalista e escritor), Kleber, Lauro, Luis Carlos Winck, Luis Fernando, Manoel Tobias, Márcio Pinheiro (jornalista, filho do ex-dirigente Ibsen Pinheiro), Michel, Nilmar, Nilson, Pinga, Rubens Cardoso, Rubens Minelli, Sergio Goycochea, Thessa, Tinga, Valdomiro, Vinícius e Wellington Monteiro.