Direção apresenta balanço das contas de 2021

Beira-Rio sedia reunião na noite desta quinta-feira (Foto: Ricardo Duarte)

A sessão ordinária do Conselho Deliberativo do Sport Club Internacional desta quinta-feira (28/04) aprecia o Relatório do Conselho de Gestão do Clube, bem como examina e vota o Balanço de Contas colorado do exercício 2021.

Os números que integram o balanço já foram aprovados, sem ressalvas, por auditores independentes que analisaram todas as demonstrações financeiras do período, comprovando e validando os dados apresentados pela atual gestão. O Conselho Fiscal também aprovou os valores.

Os números do primeiro ano da gestão de Alessandro Barcellos apontam que houve um equilíbrio econômico baseado nas boas práticas de gestão internas que foram implantadas junto a fornecedores de produtos e serviços, além da criação de uma diretoria executiva que atua em todas as áreas coloradas, liderada por Giovane Zanardo, CEO do Clube, assim como a considerável redução das despesas operacionais ao longo do último ano.

Um ponto que merece destaque na prestação de contas é que, pela primeira vez em cinco anos, o Inter teve superávit de quase R$ 1 milhão oriundo da venda de atletas, melhoria na gestão de recursos, novas ações de Marketing, entre outras iniciativas que injetaram aportes financeiros aos cofres colorados.

“Sabemos e vamos deixar claro aonde queremos chegar!” Mano Menezes é apresentado no Beira-Rio

O futebol masculino alvirrubro tem um novo comandante. Anunciado na noite de ontem, Mano Menezes foi oficialmente apresentado como técnico do Clube do Povo no final da manhã desta quarta-feira (20/04). Dono de rico e vitorioso currículo, o profissional, contratado até o final de 2022, concedeu entrevista coletiva na sala de imprensa do Beira-Rio, e compartilhou sua satisfação em retornar ao Inter após 20 anos de sua primeira passagem pelo Colorado, à época realizada na função de treinador da categoria juvenil do Celeiro de Ases.

“Sabemos e vamos deixar claro onde queremos chegar.

Não conheço ninguém que evolua sem vencer.

O torcedor quer um modelo de jogo,

mas quer ganhar amanhã e no jogo seguinte,

e isso dá confiança para avançar!”

Mano Menezes
Mano Menezes é o novo técnico do Inter/Foto: Ricardo Duarte

A coletiva de apresentação do técnico colorado contou com as presenças de Alessandro Barcellos, presidente do Internacional, Emílio Papaléo Zin, vice de Futebol, Paulo Autuori, Diretor Técnico, e William Thomas, Diretor Executivo. Diante dos microfones, foi o mandatário do Clube do Povo quem primeiro se pronunciou à imprensa, sublinhando a rica trajetória construída por Mano Menzes no esporte e projetando o encaixe do profissional no cada vez mais estruturado Departamento de Futebol alvirrubro.

“Hoje, a gente consolida a formatação profissional daqueles que conduzirão o Departamento de Futebol do Inter. Apresentamos o Paulo Autuori como Diretor Técnico, responsável por todo o departamento junto com o William, que assume, também, nessa transversalidade. E, agora, o responsável por nossa equipe, de orientação e modelo de jogo, é o Mano Menezes, que hoje completa esse trio. Mano é um treinador que todos conhecem. Sua história, sua trajetória, começou no Rio Grande do Sul e percorreu Brasil e mundo.”

Alessandro Barcellos
Paulo Autuori (E), Alessandro Barcellos, Mano Menezes, Emílio Papaléo e William Thomas (D)/Foto: Ricardo Duarte

Emílio Papaléo também celebrou a chegada de Mano Menezes, reforçando o sentimento de satisfação com que o Clube encara o retorno do profissional. O vice-presidente de Futebol ainda definiu Mano Menezes como um profundo conhecedor da cultura gaúcha e colorada, ressaltando que essa experiência pode ser fundamental para o técnico na missão de conduzir o Inter a grandes feitos em 2022, ano que recentemente teve iniciadas as disputas da Sul-Americana e do Campeonato Brasileiro.

“Devo dizer, Mano, da alegria de te ter de volta no Beira-Rio. Tens uma carreira vitoriosa e, mais do que qualquer outro atributo, a plena consciência e conhecimento da nossa cultura e do que representa o Internacional. Com a tua chegada, fechando essa equipe técnica junto de Autuori e William Thomas, sei que tu vais nos ajudar, contribuindo para que o Internacional retome sua senda de vitórias. Seja bem-vindo!”

Emílio Papaléo Zin
Comandante posou para fotos ao lado do presidente e do vice de Futebol/Foto: Ricardo Duarte

Encerrados os pronunciamentos do corpo diretivo colorado, Mano Menezes atendeu às perguntas dos profissionais de imprensa presentes no Beira-Rio. O técnico, que minutos mais cedo comandara seu primeiro treino no CT Parque Gigante, falou sobre o retorno ao Inter, a busca do Clube por uma filosofia consolidada de futebol, sua maneira de trabalhar no dia a dia e de algumas convicções que carrega a respeito de estruturação tática de equipes, além de externalizar sua alegria em trabalhar com Paulo Autuori, amigo de longa data, mas com quem jamais dividira funções em uma mesma time. Confira as principais aspas:

Foto: Ricardo Duarte

“Primeiro, quero falar ao torcedor colorado da minha felicidade de estar aqui nesse momento. Voltar ao Clube que fez uma importante parte na minha formação como técnico de futebol. Acredito que tudo na vida tem sua hora. Se estou aqui, é porque tenho conhecimento e bagagem para o Internacional, e também penso que o Internacional é o Clube certo para me ajudar. Quando isso existe, as coisas tendem a andar bem.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Acho saudável que o Internacional busque uma filosofia para o Clube. Um dos grandes problemas que nossos times têm é a constante transformação, que às vezes faz com que você viva em círculos. É extremamente importante buscar uma identidade. Mas acho que precisamos saber o caminho para chegar aonde queremos, e nós sabemos e vamos deixar claro onde queremos chegar. Não conheço ninguém que evolua sem vencer.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Dificilmente vocês vão ter de mim um comentário individual, a menos que seja para fazer um grande elogio, às vezes depois de uma atuação extraordinária que a gente deve reconhecer. Minhas análises, quase sempre, serão da equipe, e ainda é um pouco cedo para falar sobre como vou montá-la. Eu penso o futebol de uma forma bem completa. Não conheço times vencedores que só se comportam de forma defensiva, nem times defensores que só propõem. O futebol, pra mim, é tudo isso.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Penso sempre o futebol, primeiro, na parte tática. Uma equipe organizada taticamente recupera muitas coisas, e quando as coisas precisam ser recuperadas, simplificar é o caminho inicial. Procuro montar minhas equipes com linha de quatro defensiva. Hoje, a maioria das equipes, quando inicia a construção da jogada, inicia com uma linha de três, e uma linha de três não significa três zagueiros. Minha ideia é essa saída de três, com dois zagueiros e um lateral.”

Mano Menezes

“Vou procurar obedecer e respeitar a característica dos jogadores que fizerem a formação, porque isso é tirar o melhor de cada um. Vamos, sim, construir com qualidade, porque hoje, se você não fizer isso, dificilmente estará entre as melhores equipes. O futebol, para mim, é simples: se não tivermos a bola, temos que, imediatamente, trabalhar para recuperá-la. Todos. E quando tivermos a bola, precisamos de competência para não entregar para o adversário. Penso eu que existe um potencial de melhora bastante grande no Inter.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Vou montar o time do Internacional com as características que temos. Precisamos obedecer às características, o que queremos deles, que é o profissionalismo, o comprometimento e a entrega. Para você gerenciar um grupo tão grande de profissionais, você tem que construir uma maneira de comportamento, e privilegiar aquilo que eles entregam em favor da equipe. Você também leva em consideração os seus principais jogadores, que você julga que sustentem a sua maneira de jogar.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Paulo Autuori faz parte da minha vida como treinador. Eu estava ainda no Guarani de Venâncio Aires quando tive a honra de dirigir um centroavante chamado Caio Júnior, e ele me proporcionou a aproximação com o Paulo. A partir daí, nunca nos desligamos, mesmo estando longe e nunca tendo trabalhado juntos. Pra mim, é uma honra trabalhar com um profissional como ele, que julgo como dos mais competentes em termos de conhecimento para realizar o trabalho que se propõe. Juntamente com todos, acho que o Internacional inaugura, no Clube, a forma adequada de conduzir um Departamento de Futebol.”

Mano Menezes
Mano Menezes já comandou atividades na manhã desta quarta-feira/Foto: Ricardo Duarte

Sob o comando de Mano Menezes, o elenco colorado tem mais dois dias para trabalhar antes de voltar a campo. No próximo sábado (23/04), às 19h, o Clube do Povo enfrenta o Fluminense, no Maracanã, em duelo da terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Atualmente, o Inter soma três pontos na competição, conquistados no domingo passado (17/04), data de vitória de 2 a 1 sobre o Fortaleza, no Beira-Rio.

> Leia também: Mano Menezes é o novo técnico do Inter

> Leia também: Com participação de Mano Menezes, Colorado treina no CT

Paulo Autuori é apresentado no Beira-Rio

“O destino quis que, exatamente no aniversário do Internacional, a torcida colorada fosse brindada com essa apresentação.” Foi assim que Emílio Papaléo Zin, vice-presidente de Futebol do Clube do Povo, comunicou, de maneira oficial, a chegada do mais novo Diretor Técnico alvirrubro. Aos 65 anos, Paulo Autuori foi anunciado na sexta-feira passada (01/04), mas concedeu sua primeira entrevista neste retorno ao Beira-Rio exatamente na data em que o Colorado completa 113 anos de história. Na Sala de Imprensa do Gigante, o profissional discorreu, ao longo de dezenas de minutos, a respeito dos pilares que nortearam e ainda norteiam sua trajetória no futebol mundial, concentrando atenções e holofotes ao longo desta manhã de segunda-feira (04/04).

“Meu trabalho é muito simples:

facilitar ao máximo a vida do treinador.

E, para isso, vou me dedicar.”

Paulo Autuori
Alessandro Barcellos (E), Paulo Autuori e Emílio Papaléo Zin/Foto: Ricardo Duarte

Coube ao presidente Alessandro Barcellos a primeira fala na coletiva, e o mandatário fez questão de, antes mesmo de cumprimentar o Diretor Técnico, celebrar o aniversário colorado através de pronunciamento à Maior e Melhor Torcida do Rio Grande. Nesse, o dirigente citou a gloriosa história alvirrubra e sublinhou os esforços que o Clube tem empreendido com o objetivo de atingir crescente sucesso e acumular alegrias. Barcellos ainda lembrou das iminentes estreias em Sul-Americana e Brasileirão, respectivamente previstas, no calendário alvirrubro, para os próximos dias 6 e 10, para então saudar a chegada de Paulo Autuori ao Inter.

“É disso que se trata esse momento. De saudar a história e de nos colocar em dois grandes desafios a curto prazo. Para isso, temos feito algumas correções e avaliações, e hoje é um ponto importante. O Autuori vem cumprir uma função que é nova no futebol brasileiro. Que poucos exercem, e ainda menos com a maestria que ele desempenha. Tem um perfil que dispensa apresentações, e a capacidade dele de fazer uma leitura nas mais diversas dimensões que incluem o futebol nos dão a certeza de que essa história vai deixar um legado muito grande.”

Alessandro Barcellos
Presidente (E) abriu a coletiva de apresentação do novo Diretor Técnico/Foto: Ricardo Duarte

Papaléo sucedeu o presidente, e igualmente exaltou o currículo construído por Autuori no futebol. Multicampeão como treinador e também vencedor na recente trajetória que constrói fora das quatro linhas, o profissional teve elogiado seu trato com as pessoas, capaz de, nas palavras do vice-presidente de Futebol do Inter, deixar portas abertas por onde passou. As valências do Diretor Técnico, inclusive, têm sido atestadas por todos desde sábado (02/04), quando o carioca de 65 anos acompanhou, pela primeira vez, atividades no CT Parque Gigante.

“O momento não é de comemoração, porque nós, como disse o presidente, logo mais embarcamos para fora, onde começaremos um importante certame. Já no próximo final de semana começa o Campeonato Brasileiro, e nosso foco está absolutamente centrado nessas competições. Mas nem por isso deixamos de festejar, nesse dia, a chegada de Paulo Autuori, que não parou um minuto desde que chegou a Porto Alegre. Não tenho a menor dúvida de que será uma grande contribuição. Seja muito bem-vindo!”

Paulo Autuori
Autuori (C) já acompanhou as atividades do último sábado/Foto: Ricardo Duarte

Devidamente recepcionado, com direto a entrega de camisa personalizada, Paulo Autuori agradeceu pelo caloroso trato com que foi recebido em seus primeiros dias de Inter, e deixou claro que a melhor maneira de responder às boas-vindas será através do trabalho. Diante dos microfones, o protagonista da manhã parabenizou a “enorme, histórica e gloriosa” instituição que é o Clube do Povo, e passou a atender aos questionamentos feitos pela imprensa. Logo de cara, em sua primeira resposta, o Diretor Técnico elaborou sobre o papel que o futebol ocupa em sua vida.

Foto: Ricardo Duarte

“Costumo dizer que o futebol é vida. Por vezes, queremos deixar o futebol em um mundo à parte, mas as coisas não são assim. Cada vez mais, ele é um fenômeno socioeconômico. Sociológico, antropológico, porque é tudo, contexto e homem, e mesmo filosófico, e talvez algumas escolas de treinadores sejam fortes porque contemplam isso. O treino faz o jogo, e o jogo justifica o treino.”

Paulo Autuori

Preparador físico no início de sua carreira, que logo tomou o rumo do comando de casamatas, Autuori soma mais de 25 anos de experiência no futebol do exterior. Dono de passaporte que conta com carimbos de Japão, Catar, Peru e Colômbia, ele, que milita no esporte há quase cinco décadas, começou a atuar de maneira específica em cargos de bastidores no início de 2017, e desde então acumula passagens, seja enquanto coordenador ou diretor, por equipes como Athletico-PR, Fluminense e Santos. Independente de função, porém, Paulo elencou o trabalho em equipe como característica que mais valoriza no dia a dia.

“Saber a diferença entre o ser e o estar. Aprendi isso ao longo da minha vida. Ser é uma coisa duradoura, e estar é momentâneo. Para mim, a terminologia não diz absolutamente nada. A minha essência é o trabalho em equipe. Sempre foi, na minha vida no futebol. Passei por todas as atividades ligadas ao campo, o que me dá segurança em relação àquilo que é o nosso contexto. E me gera convicções muito claras em relação a poder ter passado por três continentes e ter tentado entender o que é o futebol nesses lugares.”

Paulo Autuori
Paulo Autuori é o novo Diretor Técnico colorado/Foto: Ricardo Duarte

Desde que chegou a Porto Alegre, Paulo Autuori já empreendeu suas primeiras ações na rotina do CT Parque Gigante. Profundo conhecedor das particularidades do calendário brasileiro, ele reconhece que o futebol de nosso país oferece tempo extremamente escasso para trabalhar, e sabe que, diante deste cenário, a agilidade assume contornos ainda mais fundamentais, bem como a honestidade no trato com o grupo de jogadores – que precisa ser recíproca, independente da situação encarada dentro de campo.

Foto: Ricardo Duarte

“Não há como você falar em tempo no futebol brasileiro. Isso é óbvio. Agora, assim que você entra, existem medidas de curtíssimo prazo, outras de curto, e também de médio. Uma coisa que eu exijo sempre, dos grupos com os quais trabalho, é que nós somos o que somos, e temos que sê-lo em todas as circunstâncias e momentos. Meu contato com os jogadores é diário, permanente, assim como com a comissão técnica. O fim do processo é o jogo, mas, até chegar lá, existe um invisível, que para a maioria das pessoas não interessa. Nós julgamos resultado, mas não analisamos o trabalho.”

Paulo Autuori

A respeito dos primeiros contatos que estabeleceu com os profissionais que integram o Departamento de Futebol colorado, Paulo Autuori elogiou a comissão técnica liderada por Alexander Medina, especialmente pela capacidade de adaptação que o uruguaio tem apresentado na capital gaúcha. Fiel aos seus princípios, o ‘Cacique’ demonstra evidente disposição a se encaixar nas exigências do contexto colorado, qualidade comemorada pelo novo Diretor.

Foto: Ricardo Duarte

“Acho que o Inter tem uma comissão técnica de muito bom nível. Trabalhei muito tempo fora do Brasil, e posso dizer que o Medina tem uma coisa extraordinária, que é saber ler o contexto. Por vezes, alguns profissionais, quando trabalham fora de seu país, tentam apenas repetir o que faziam nos seus. Se adaptar ao contexto, sem jamais ferir sua ideia, princípios e valores; nisso, o Medina é extraordinário. Pela maneira com que se comunica em relação ao futebol.”

Paulo Autuori

Autuori ainda falou sobre o papel fundamental que o aspecto psicológico desempenha no futebol de hoje. Para além das sempre citadas valências físicas, técnicas e táticas, o carioca ressaltou que os jogadores precisam ter um lado mental forte para atingir o sucesso. Com isso, podem superar, inclusive, equipes mais bem cotadas, ao mesmo tempo em que a ausência dessa capacidade tem o potencial de comprometer todo o resto do que foi preparado.

Foto: Ricardo Duarte

“A forma desportiva é muito clara, e tem a ver com quatro pilares: técnica, que é do jogador, tática, da estratégia, física e mental, que nesse momento é a mais importante. Mais do que jogador de futebol, você é um competidor. Por vezes, você pode não ser superior ao seu antagonista tecnicamente, mas, se for mais forte mentalmente, vence. Por isso o futebol é imponderável. Por isso tem uma massa de adeptos. Não adianta uma tremenda forma física, a técnica estar bem, taticamente cumprir o que o treinador quer, mas, mentalmente, estar frouxo. Ser forte mentalmente, é isso que eu peço!”

Paulo Autuori

Por fim, o novo Diretor Técnico do Internacional deixou claro que balizará suas atitudes cotidianas a partir das necessidades do Clube do Povo, postura que naturalmente poderá resultar em medidas impopulares – até mesmo para o próprio. As vontades pessoais, afinal, serão relegadas ao segundo plano, em nome de um trabalho que está pronto para lidar com a pressão que decorre de vestir as cores de um gigante do futebol.

“Há situações em que você precisa fazer, em termos de gestão, e estou falando de gestão esportiva, medidas impopulares. Uma coisa é necessidade. Outra, vontade pessoal. E a prioridade sempre estará voltada às necessidades. Aqui não pode ter espaço para o que eu quero. Pressão, no futebol, para mim, passou a ser vulgar, porque quem entrar no futebol e não se der conta de que precisa viver diariamente assim, não vai ter vida longa.”

Paulo Autuori
Diretor Técnico falou durante quase uma hora/Foto: Ricardo Duarte

Já com Paulo Autuori integrado à delegação, o Inter embarcou para o Equador horas depois da coletiva realizada no Beira-Rio. No país vizinho, o Colorado estreará, na próxima quarta-feira (06/04), na fase de grupos da Sul-Americana, título que já conquistou no ano de 2008. O adversário alvirrubro no Estádio de Jocay, em Manta, será o 9 de Octubre, e a partida está prevista para as 21h30.

D’Ale está de volta! Ídolo é apresentado para o último tango em Porto Alegre

Camisa 10 voltou para casa (Fotos: Ricardo Duarte)

Mais de 12 temporadas defendendo a mesma camisa. Um total de 517 jogos, 95 gols e 113 assistências. 13 títulos, entre eles Copa Libertadores e Sul-Americana. O terceiro jogador que mais vestiu a camisa do Inter, mesmo vindo de fora do país. O ídolo Andrés Nicolás D’Alessandro está de volta ao Clube do Povo para escrever seu capítulo derradeiro como jogador de futebol. O último tango do argentino mais brasileiro do mundo já começou!

Esta quinta-feira, dia 13 de janeiro, entra de imediato para a história colorada. Data que marca o retorno oficial do ídolo, apresentado pela diretoria no Beira-Rio. Ao lado do presidente Alessandro Barcellos, do vice-presidente de futebol Emílio Papaléo Zin e do diretor executivo Paulo Bracks, D’Ale recebeu de volta a sua camisa 10, cedida pelo amigo Taison, que voltou a usar a 7.

Em entrevista coletiva emocionante, o ídolo falou sobre diversos assuntos, esclareceu dúvidas e projetou seus últimos quatro meses como jogador de futebol. Confira abaixo os principais trechos.

Palavra da diretoria

D’Ale é apresentado por Bracks (E), Barcellos (C) e Papaléo (D)

Alessandro Barcellos:
“É um cara irresignado com derrota, gosta de vitória, gosta de título e tem os valores do Internacional no seu dia a dia. Isso é fundamental, com a entrega que ele tem, para um dos grupos mais jovens do Inter nos últimos anos. A presença do D’Alessandro dentro do vestiário vai nos ajudar muito nesse aspecto.”

Emílio Papaléo Zin:
“É muito bom ver o D’Alessandro vestindo novamente a camisa do Internacional. É um craque dentro e fora de campo. Neste começo de ano no Campeonato Gaúcho, que ele participou de sete conquistas, vai nos ajudar muito. Com sua experiência, sua liderança e seu talento, certamente terá uma participação decisiva neste início de temporada onde o Inter está formando seu elenco.”

Paulo Bracks:
“Quando penso no D’Alessandro, penso nele com a camisa do Internacional. Vai ser um orgulho muito grande tê-lo como colega de trabalho e nós contamos muito com ele dentro e fora de campo.”

D’Alessandro

Entrevista longa e emocionante marcou retorno do camisa 10

Volta para casa
“Estou muito orgulhoso e feliz de o Inter ter me aberto as portas novamente. Era um possibilidade que, quando sai no ano passado, pensava, mas não era uma realidade. Em conversa com a diretoria e o presidente a gente conseguiu e hoje estamos aqui. Estou muito feliz de voltar para minha casa.”

Disposição de sobra
“Se o treinador precisar de mim dois minutos, estarei à disposição. Se precisar em 20 minutos, estarei à disposição. Se não precisar de mim dentro, mas fora de campo, também estarei à disposição.”

Como se fosse a primeira vez
“Eu não voltei ao Inter pelo que eu ganhei. Voltei porque a diretoria, o treinador e o grupo estão convencidos de que eu posso contribuir com eles de alguma maneira, seja fora ou dentro. Para mim, vai ser como o primeiro Gauchão que joguei lá em 2009, que vencemos de forma invicta, junto com o Taison.”

Intensidade do novo treinador
“Temos um treinador com ideias novas, com uma característica diferente dos treinador anteriores. Um treinador que gosta de trabalhar, é intenso e não gosta de brincar, já mostrou isso nos primeiros treinos. Não tem outro jeito a não ser trabalhar. Já não se ganha mais no futebol só com a bola no pé, se ganha com intensidade, se doando, tendo comprometimento, esforço e dedicação. É preciso viver para o futebol 24 horas por dia.”

Recado aos críticos
“Existe uma minoria que achava que não poderia treinar e não teria forças. Uma minoria que se incomoda com a minha presença novamente em Porto Alegre. Uma minoria que talvez vista outra cor. Estou aqui muito vivo, com muita força e muito feliz. Ninguém conseguiu ganhar tudo, mas quando falam do D’Alessandro mudam o pensamento e a cobrança. Mas eu sempre matei no peito e, dessa vez, não vai ser diferente. Estou mais forte, estou que nem o vinho. Pode continuar batendo que não tem problema.”

Fim da linha
“É difícil cravar, mas a minha carreira vai terminar. Vou jogar quatro meses, ajudar no que eu puder até 30 de abril, farei 41 anos no dia 15 de abril. Depois disso, vou para a minha casa, descansar, sair de férias. Continuarei ajudando o Inter, comparecendo nos jogos, porque me tornarei torcedor. Já sou um torcedor, mas um atleta torcedor que continua trabalhando no clube.”

Volta à cidade
“Eu tinha muita vontade de voltar a morar em Porto Alegre. Não deixei de morar e voltar aqui como cidadão. Mas queria retornar para ficar e me despedir do futebol. Acho que posso dizer que é justo, eu sinto isso, é o que o torcedor e o clube me passam. É justo eu me despedir com a camisa do Internacional. Não poderia me despedir do futebol e encerrar minha carreira com outra camisa.”

Despedida do torcedor
“Eu preciso do torcedor. O clube precisa do torcedor. Agora vou ser um pouquinho egoísta, preciso me despedir do torcedor. Seja em Bagé, Erechim, Ijuí, ou na cidade que a gente for, mesmo se eu não for jogar, pedirei para viajar e acompanhar o grupo. Eu necessito me despedir do torcedor, ter contato com eles.”

Aposentadoria
“Preparado a gente nunca está. Eu vou pensando no dia a dia que termina uma coisa que é difícil assimilar. O atleta de futebol tem duas vidas dentro de uma. A vida de atleta e depois tem mais 40 ou 50 anos pra viver. Tenho que me preparar para isso.”

Amizade com Taison
“Taison é um amigo. Como atleta, dispensa comentário. Mas, como pessoa, dispensa mais ainda. A gente tem uma amizade muito grande. Ele vai ter que me ajudar, já ajudei muito ele. A gente vai trabalhar junto. Nunca é fácil pra quem sai do Inter e fica longe um tempo. O Inter mexe muito com o sentimento das pessoas, pelo menos a gente que tem um carinho e amor enorme pelo clube. Mexe demais. Quando a gente está longe, quer voltar a ficar aqui.”

Orgulho em vestir o manto
“Ser o terceiro jogador com mais jogos no clube é um orgulho. Hoje em dia, é muito difícil encontrar atletas que fiquem tanto tempo em um clube. Não é um objetivo ser o segundo. Se acontecer, ficarei muito feliz. Mas se não acontecer, posso jogar apenas alguns jogos. Depende de como o treinador quiser me utilizar. Tenho bem claro na minha mente, eu voltei para ficar à disposição, cumprir como um atleta profissional o dia a dia e minhas obrigações com o que o treinador precisar. Seja um minuto, sejam dois. De repente, faço uma ou duas partidas em quatro meses. Isso não vai tirar a minha felicidade por ter voltado, por estar com o grupo, voltar a Porto Alegre, por vestir esse manto colorado, que não é pouca coisa.”


> Assista à entrevista coletiva na íntegra!

Liziero é apresentado no Beira-Rio e assume a camisa 5 do Inter

Meio-campista assinou contrato de empréstimo com valor fixado (Fotos: Ricardo Duarte)

Tem novidade no meio de campo do Inter em 2022. Reforço para a engrenagem da equipe de Alexander Medina, Liziero foi oficialmente apresentado na tarde desta quarta-feira (12/10) no estádio Beira-Rio. O meio-campista revelado pelo São Paulo recebeu a histórica camisa colorada de número 5 e falou pela primeira vez como jogador do Clube do Povo.

Ao lado do presidente Alessandro Barcellos e do diretor executivo Paulo Bracks, o jogador de 23 anos de idade revelou seus objetivos no Internacional, falou sobre seu estilo de jogo, uma conversa com Medina e o aprendizado com Taison e D’Alessandro. Liziero assinou contrato de empréstimo até o final da temporada, com valor fixado para compra definitiva.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista coletiva:

Dirigentes

Barcellos (E) e Bracks (D) apresentaram novo camisa 5

Alessandro Barcellos:
“O Internacional vê no Liziero um perfil importante, um atleta jovem ainda. Uma trajetória importante em um clube como o São Paulo, ele traz nas suas características muita agilidade, versatilidade e habilidade. Fruto, também, do histórico dele praticando futsal até os 16 anos. Sabemos o quanto é importante para um jogador trazer consigo esses elementos do período de formação. O fundamental disso tudo é que, desde que procuramos o Liziero, dentro das características que buscamos para o elenco, ele se mostrou muito empolgado em estar aqui conosco e nos ajudar nessa caminhada.”

Paulo Bracks:
“É o nosso segundo reforço no ano, de um elenco que nós estamos montando. Temos duas janelas de transferências dentro do Brasil, e essa primeira vai até abril, com o objetivo de qualificar o nosso elenco. A contratação do Liziero é pra qualificação do nosso plantel. Um atleta que nós procuramos no ano passado, mas se mostrou inviável no começo do ano. Com muita satisfação, a gente agora coseguiu concretizar.”

Liziero

Motivado
“Vivemos um ano complicado no São Paulo, de altos e baixos. Alguns jogadores não conseguiram manter uma constância, o que é algo que estou procurando aqui no Inter. Estou muito feliz, muito motivado, é um clube gigante. Pude ver as estruturas de treinamento e tudo mais. Estou aqui para evoluir e aprender.”

Características
“Me vejo como um volante de construção, domínio de bola, de passe, ocupação de espaço. São minhas características principais desde a base. Já joguei também de lateral. Posso jogar tanto de 5 como de 8, estou aqui para ajudar como o professor pedir.”

Volante construtor
“Geralmente, o 5 é o primeiro pivô do time. Onde a bola está sempre passando no pé, o que dá qualidade pra equipe jogar pra frente. O 5 também faz papel de volante construtor. Você vê muitos jogadores na Europa onde o primeiro volante é o jogador que tem o passe acima da média pra poder dar uma constância no time.”

Em busca de títulos
“Cheguei aqui em Porto Alegre e vi a dimensão do Inter, é um time gigante. A estrutura e os profissionais que tem são acima da média. O Inter tem que estar sempre almejando títulos. Temos que pensar passo a passo. O primeiro campeonato que temos pela frente é o Gaúcho, que estamos trabalhando para conquistar.”

Papo com Medina
“Foram apenas dois treinos, mas deu para conversar um pouco ontem. Antes de vir para cá eu olhei na internet, como todo mundo vê, o estilo de jogo do professor. Ele falou comigo que quer me ajudar muito. Estou aqui para evoluir também, é um clube com características diferentes das do São Paulo.”

Ídolos do Clube
“Já tive contato com o Taison e o D’Alessandro, sei da grandeza deles, da qualidade que eles têm também. Vou absorver ao máximo a experiência deles. No que eles puderem me ajudar, estarei sempre atento para aprender.”

Principal objetivo
“Meu maior objetivo é ser campeão aqui, sem dúvida. Todo jogador quer ser campeão no clube que está. Chegar no Inter e colocar meu nome na história do clube, que é gigante. Poder ser campeão e dar alegria ao torcedor é o meu principal objetivo.”


Assista a entrevista coletiva na íntegra:

Inter promove ações comemorativas aos 15 anos da conquista do Mundial

Título no Japão será recordado em série de ações (Foto: Ricardo Duarte)

A semana será de emoções para o Inter e sua torcida. Para comemorar os 15 anos da conquista do Mundial, o Clube está programando uma série de atividades alusivas à data, comemorada na próxima sexta-feira (17/12).

O aquecimento começa na quinta-feira (16), onde a Visita Colorada, nos horários das 14h e 15h30, contará com uma presença ilustre: ao final do trajeto, o ídolo Iarley estará no gramado do Estádio Beira-Rio para uma ação de Chute a Gol. O ex-goleiro Hiran também estará presente.

À beira do campo, será posicionada uma goleira para que os visitantes tenham a oportunidade de marcar um gol no Gigante. A atividade é restrita a 30 pessoas por grupo, uma vez que ainda está sendo respeitado o distanciamento social e evitado qualquer tipo de aglomeração. Os colorados também poderão fazer fotos com a taça da conquista de 2006. Neste dia, o Museu do Inter terá gratuidade no ingresso. As ações são válidas para sócios e não sócios.

> Saiba mais sobre a Visita Colorada

Já a sexta-feira (17), reserva uma agenda recheada de atrações. A começar pelo lançamento de uma camisa comemorativa aos 15 anos do maior título da história colorada. Para relembrar o manto branco usado pelos jogadores diante do Barcelona, foi criada uma réplica licenciada com a assinatura do capitão Fernandão.

E o discurso emocionado de F9 antes da partida poderá ser revisto por meio de um QRCode na tag da camiseta que irá direcionar para o vídeo dos bastidores de Yokohama. A camisa estará à venda nas lojas oficiais do Clube por R$ 199,00 para sócios. Além disso, 200 sócios colorados que se mantiveram adimplentes durante a pandemia serão sorteados para receberem a camisa. Ela será revelada ao público na quinta-feira (16).

O Clube também organizou um café da manhã para convidados. Conselheiros, ex-jogadores e ex-funcionários serão recepcionados pelo Conselho de Gestão e pela Mesa do Conselho Deliberativo para um momento de celebração e homenagens.

Entre elas, aos torcedores eméritos Noêmia Martins Fontoura (Vó Noêmia), Sérgio Antônio da Silva Vanacor (Macaco) e Jorge Luís de Oliveira (Nego Beleza), que, ao longo dos anos demonstram seu amor incondicional pelo Inter. O título de Capitão Emérito outorgado a Fernandão será recebido por Fernanda Bizzotto, Enzo e Eloá, esposa e filhos do eterno capitão colorado. Aldo Dias Rosa (in memoriam) será lembrado com a Medalha Irmãos Poppe. Outros dez sócios foram sorteados para participarem do encontro. Ao término do evento, haverá uma queima de fogos.

Na sequência, e ainda em comemoração à data, o Clube irá realizar a sua tradicional festa para os colaboradores, onde todos serão recepcionados para um almoço no CT Parque Gigante.

E para encerrar as atividades, a partir das 18h, a Rádio Colorada colocará no ar um programa especial relembrando a conquista.

Pós-jogo | “Gre-Nais se jogam assim, como finais”, define Aguirre na coletiva deste sábado

Sábado foi de muita festa no Beira-Rio/Foto: Ricardo Duarte

O Gre-Nal 434 custará a sair da memória do povo colorado. Na data em que o Beira-Rio voltou a receber 50% de sua capacidade de público, mais de 25 mil pessoas empurraram o Inter rumo à vitória de 1 a 0, garantida através de bonito testaço do ídolo Taison. Após o jogo, Diego Aguirre e Alessandro Barcellos repercutiram, em entrevista coletiva, a importância do triunfo em cima do maior rival, além de destacar os méritos de atletas e torcida na catártica noite deste sábado (06/11).

Primeiro a falar, o uruguaio, que soma duas vitórias e três empates nos cinco clássicos que já disputou à frente da casamata colorada, fez questão de externar o orgulho sentido com a atitude apresentada pelo grupo dentro de campo. Intenso do primeiro ao último minuto, o Inter entregou tudo que um Gre-Nal exige, e foi recompensado com três pontos fundamentais na luta por vaga na Libertadores de 2021.

“Primeira coisa: são três pontos muito importantes para o nosso objetivo de classificar para a Libertadores. Tínhamos que ganhar hoje, era sim ou sim. Além disso, Gre-Nais se jogam assim, como finais. Não se pode preparar de outra forma. Eu senti orgulho dos meus jogadores, da sua entrega, atitude, coragem. Foi um prazer ver o Beira-Rio outra vez com torcida. Lembro de coisas. Agora, temos que cuidar esse momento, continuar trabalhando e acabar o ano com o nosso objetivo.”

Diego Aguirre
Aguirre segue invicto em Gre-Nais à frente do Inter/Foto: Ricardo Duarte

A 158ª vitória colorada em Gre-Nais começou a ser construída muito antes da noite de sábado. Livre para trabalhar com o grupo, Aguirre aproveitou ao máximo a semana de véspera do clássico, planejada nos mínimos detalhes pelo Departamento de Futebol do Internacional. A recompensa do trabalho realizado entre segunda e sexta passadas, como ressaltou o técnico, merece ser comemorada por todo o Clube ao longo do final de semana.

Foto: Ricardo Duarte

“O planejamento para esse jogo foi muito bem feito. Todo o Clube fez um bom trabalho, começando pela diretoria. O pessoal estava mentalizado para chegar ao Gre-Nal em 100%. No último jogo, eu não poupei ninguém. Os jogadores que não jogaram tinham problemas físicos, o que é bom esclarecer agora. A vitória é de todos, é do Clube, do Inter. É um bom momento para comemorar.”

Diego Aguirre

Aguirre também confidenciou bastidor que dividiu com Moisés ao longo dos últimos dias para simbolizar o esforço do grupo de atletas. Lateral-esquerdo de grande atuação no Gre-Nal, o defensor sofrera, na semana passada, lesão que, inicialmente, o afastaria dos gramados por 14 dias. Logo nas primeiras horas que sucederam a injúria, porém, o atleta fez questão de garantir para seu comandante que faria de tudo para estar disponível no clássico. Em campo, o camisa 20 jogou em alto nível durante os 90 minutos.

Foto: Ricardo Duarte

“Quando se machucou, e os médicos falavam de duas semanas, o Moisés, no primeiro dia, me chamou: “não me tire do jogo. Espere até o último dia.” E eu disse que conversaríamos na sexta. Hoje, foi um jogador fundamental. Importantíssimo, que emocionava por como jogou. Muita coisa vai mudando, e o Inter está em uma fase positiva. É momento de felicidade, que quero compartilhar com todos os torcedores, que estão merecendo.”

Diego Aguirre

Por fim, o comandante alvirrubro ainda projetou os reflexos que o triunfo em cima do maior rival oferecerá ao elenco vermelho. Protagonista, quando jogador, no Gre-Nal do Século, Aguirre sabe que a maior rivalidade do país, há décadas definida como um campeonato à parte, lega diversos aprendizados à equipe vencedora de cada um de seus capítulos. Agora, o maior desdobramento, de acordo com o charrua, será a reinjeção de ânimo e força na moral dos atletas.

“Quando você ganha um clássico, sempre se fortalece. Era necessário, o Inter estava precisando dessa vitória, a torcida, nós, os jogadores. Todos. Agora, temos que continuar evoluindo para fechar o ano onde queremos. Hoje, o time entrou para vencer. Estivemos concentrados, organizados, com uma atitude muito boa, e merecemos a vitória.”

Diego Aguirre
Inter sai fortalecido para a sequência do Brasileiro/Foto: Ricardo Duarte

Logo após a entrevista de Aguirre, Alessandro Barcellos assumiu os microfones da sala de coletivas do Beira-Rio. Consciente do significado da vitória para a instituição, o presidente iniciou sua fala à imprensa com um justo agradecimento a todos os envolvidos no triunfo vermelho. Da torcida aos jogadores, o mandatário elencou os pilares que levaram o Inter aos 44 pontos no Brasileirão.

Foto: Ricardo Duarte

“Hoje, eu precisava falar aqui para agradecer. Agradecer essa torcida maravilhosa, que fez a sua parte, voltou ao Beira-Rio e fez a diferença. Essa vitória foi para todos eles. Também agradecer a direção como um todo, o Departamento de Futebol, capitaneado pelo Emílio Papaléo e pelo Paulo Bracks, o Departamento Médico, a comissão técnica e os jogadores. Deles, principalmente dois grupos. Aqueles que se recuperaram de lesões para estar em campo, e aqueles que, durante um certo período, sofreram com rotulações injustas.”

Alessandro Barcellos

Como não poderia deixar de ser, o 1 a 0 no clássico foi intensamente comemorado depois do apito final. Dentro de campo, jogadores, comissão e diretoria festejaram com a Maior e Melhor Torcida do Rio Grande, comprovando a tradicional sinergia que reside no 891 da Padre Cacique, templo capaz de transformar gramado e cimento em um só. O sentimento de regozijo ostentado no rosto de cada colorado e colorada foi igualmente celebrado por Alessandro Barcellos.

“A gente não fica falando muito. Mas não tem que falar, tem que trabalhar. E aqui a gente trabalha. Isso é que faz a diferença. Nosso trabalho é produzir vitórias e títulos. Nesse caso específico, poder dar alegrias à torcida em uma rivalidade que é única no país – e que poucas no mundo têm tamanha dimensão. O torcedor está feliz, e ficamos felizes por isso. Aqui tem sangue. Todo mundo quer ganhar, e não falta vontade, dedicação ou trabalho.”

Alessandro Barcellos
Após o jogo, presidente festejou no gramano do Beira-Rio/Foto: Ricardo Duarte

Dona da jornada mais vermelha do planeta bola, a Rádio Colorada ofereceu, como de costume, uma transmissão legitimamente torcedora aos seus ouvintes. Mais de uma hora depois do jogo, a emissora oficial do Clube do Povo conversou, de maneira exclusiva, com o vice-presidente de Futebol do Internacional. Confira, abaixo, a íntegra da entrevista de Emílio Papaléo Zin ao Vestiário Vermelho!

“Hoje, ganhou o Clube. Foi uma daquelas partidas em que todos jogaram bem. O treinador está de parabéns, a comissão técnica, os médicos. Todos. É um dia de festa para o torcedor colorado, que fez o seu papel. Foi muito bacana, depois de muito tempo, ver o torcedor em grande número. Precisávamos da vitória, e o Internacional concedeu a possibilidade de que sua torcida fosse feliz para casa. Devem estar todos pela rua, e que coisa boa. É sempre bom ganhar Gre-Nal!”

Emílio Papaléo Zin
Sport Club Internacional · Rádio Colorada | Entrevista exclusiva de Emílio Papaléo Zin após o Gre-Nal 434 | 06/11

O domingo (07/11) já batia à porta quando os craques das quatro linhas deixaram o vestiário do Beira-Rio rumo ao merecido descanso. Antes de partir para casa, contudo, três atletas conversaram com as mídias sociais do Inter. Em comum, Mercado, Bruno Méndez e Taison reconheceram o apoio da torcida, além de compartilhar suas respectivas impressões acerca do primeiro Gre-Nal disputado com público em quase 20 meses. Assista às falas!

“Primeiramente, agradecer a torcida, que veio e lotou o nosso Beira-Rio. Essa vitória é de todos vocês, dos meus companheiros, que lutaram muito na semana para conseguir esse resultado positivo. Estou muito feliz. Desejo esse gol para minha mãe, meu pai. Minha família, que está sempre comigo, me acompanhando no dia a dia e sabe o que eu sofro. Também desejar ao D’Alessandro, que me ligou hoje pela tarde me desejando boa sorte. Vamo, Inter!”

Taison

“Estou muito feliz por ganhar o clássico, meu primeiro Gre-Nal no Beira-Rio. Queremos dedicar à torcida, que hoje nos apoiou e brigou com a gente. O triunfo é para eles. Agora, temos que seguir assim, porque nosso objetivo é entrar na Libertadores. No próximo jogo, contra o Juventude, temos que ganhar.”

Taison

“Vitória clássica e mais três pontos para brigar pela Libertadores. Acho que, pelo que trabalhamos, merecíamos demais. É um mimo, um carinho para a torcida, para que possa aproveitar o final de semana. Os torcedores são um jogador a mais, jogaram com a gente. Graças a eles, também, ganhamos aqui em casa.”

Bruno Méndez

O Clube do Povo retomará os trabalhos no CT Parque Gigante na manhã da próxima segunda-feira (08/11). Na terça, o grupo já encerra os preparativos para a 31ª rodada do Brasileirão, que será disputada a partir das 21h30 de quarta (10/11), no Alfredo Jaconi, diante do Juventude. Pra cima deles, meu Inter!

Quarta-feira tem mais!/Foto: Ricardo Duarte

Pós-jogo | “Agradeço por tudo que tenho vivido no Internacional”, comemora Yuri Alberto após a goleada em cima da Chapecoense

O domingo (10/10) foi de festa para a Maior e Melhor Torcida do Rio Grande, que celebrou o retorno ao Beira-Rio em grande estilo. Mais do que aproximar o Inter do G6, a goleada de 5 a 2 sobre a Chapecoense coroou os a devoção dos milhares que deram fim à espera de 581 dias pelo reencontro de Clube com povo. Após o jogo, personagens da vitória colorada exaltaram o papel desempenhado pelo Gigante na vitória maiúscula. Entre eles, Diego Aguirre, responsável por conceder coletiva à imprensa. Confira as principais aspas do comandante alvirrubro!

Voltar para o Beira-Rio com torcida? É outra coisa. Os jogadores estavam felizes, e fizeram um grande jogo. Estavam motivados, e eu também me senti motivado com a festa que fizeram. Depois de muito tempo, um ano e meio sem público, foi um momento especial, e acho que os jogadores tiveram um rendimento ótimo pela conexão entre arquibancada e campo.

Diego Aguirre

“Hoje eu acabei um turno à frente do Inter, e acho que temos que ver como foi o rendimento na tabela desde que estou aqui. Penso que foi positivo. Mas, claro, temos que continuar melhorando, e isso não vai parar. Vamos continuar, pois existem muitas coisas por fazer ainda.”

Diego Aguirre

“Aproveitei para dar oportunidades, e foi um bom momento, também, para dar descanso aos que vêm jogando. Demos espaço aos meninos, foi muito boa a estreia do Cadorini, marcando um gol. Fico feliz por ele, ganhamos uma alternativa a mais. E também testei algumas ideias que tenho, como o Paulo Victor na segunda linha em algumas circunstâncias.”

Diego Aguirre

“Eu não falaria em trio, mas nos quatro. Mauricio, Taison, Yuri e Patrick fizeram um grande jogo, e a ideia é repetir o time para quarta-feira. Quando o nível dos jogadores exige, é preciso continuar. E, falando do Patrick, fiquei feliz com todo o estádio aplaudindo ele. Temos que continuar, tomara que com esse nível. O primeiro tempo foi excelente, espetacular. Talvez, um dos nossos melhores jogos.

Diego Aguirre

“Sobre Yuri, a verdade é que não me surpreende.

Tenho falado muito dele, do profissionalismo.

É um menino excelente, artilheiro, número nove de muito futuro.

Tem somente 20 anos, já com uma personalidade,

uma intensidade e uma determinação

de um jogador muito, muito bom.”

Diego Aguirre
Diego Aguirre vibrou intensamente com o retorno da torcida colorada/Foto: Ricardo Duarte

Dono de hat-trick na partida, sua primeira disputada diante do povo colorado, Yuri Alberto foi, sem sombra de dúvidas, um dos grandes personagens da vitória deste final de semana. O camisa 11, que confidenciara ao longo da semana de preparação para o confronto sua expectativa por balançar as redes junto da torcida, estava só sorrisos na exclusiva que concedeu para as redes do Inter após o apito final. Assista!

“Agradeço por tudo que tenho vivido aqui no Internacional.

Estou muito contente, a volta do público nos motivou bastante,

e o resultado não podia ser melhor.”

Yuri Alberto

Preservado por Aguirre, Yuri foi substituído ainda no intervalo, oferecendo lugar para Matheus Cadorini. Cria do Celeiro de Ases, o camisa 18, que integrara o jovem elenco que disputou as primeiras rodadas do Gauchão desta temporada, foi a campo pela primeira vez com o grupo principal. Se debutar diante da torcida já seria naturalmente emocionante, o momento ficou ainda mais especial aos 12 minutos, quando o atacante marcou bonito gol de cabeça e cumpriu profecia feita por sua mãe. Saiba mais:

“Aqui é Inter, um Clube gigante.

Sou muito grato por essa oportunidade.”

matheus cadorini

O cara que é a cara do Clube que é do povo. Taison não jogava para a Maior e Melhor Torcida do Rio Grande desde a inesquecível noite de 18 de agosto de 2010, data em que o Inter se sagrou Bi da América. Ao ritmo dos milhares que ovacionaram cada toque que deu na bola, o ídolo retribuiu o carinho emanado pelo Beira-Rio neste domingo com mais uma excelente atuação, referendada por gol e assistência. Depois do jogo, o 10 fez questão de celebrar a sinergia entre campo e arquibancada! Veja:

Um ídolo não se constrói apenas pelo desempenho dentro de campo. Taison, como poucos, comprova. Craque multicampeão, ele dispensa qualquer honraria no trato com a torcida. Neste domingo, o sempre irônico destino fez questão de que Dona Vera, uma velha conhecida de telefonemas do craque, fosse a primeira colorada a pisar no Beira-Rio. Entrevistada pela Rádio Colorada, ela rememorou sua paixão pelo 10 alvirrubro, que retribuiu o carinho com um recado de puro sentimento após o jogo.

Do Clube…

“Dona Vera! Venho aqui te agradecer pelo carinho. Te ver novamente no Estádio é um orgulho imenso. Um beijo grande do amigo Taison, que Deus te abençoe, e se cuide, viu? Te espero na quarta!”

Taison
… para o povo!

Outro nome alçado a campo no intervalo foi o lateral-direito Heitor. Revelado pela base do Internacional, o atleta, antiga figura frequente nas arquibancadas do Beira-Rio, ofereceu assistência primorosa para o gol de Cadorini. Encerrado o confronto, o jogador/torcedor foi mais um a comemorar o reencontro do elenco com o povo mais apaixonado do país.

“É uma sensação diferente. No banco, estávamos comentando que era de arrepiar. Ver eles gritando o nosso nome dá uma motivação a mais, e a gente pôde contribuir com uma grande vitória. Soubemos aproveitar as oportunidades. Brinquei com o Osmar (Loss) que o próximo escanteio eu iria bater e dar uma assistência. O Cadorini foi feliz também, e a gente comemorou junto!”

Heitor

Para encerrar um começo de tarde inesquecível para a instituição, nada melhor do que uma efusiva declaração de nosso presidente. Alessandro Barcellos compartilhou com a torcida os méritos da goleada, e fez questão de convocar o público para as próximas jornadas do calendário colorado. A luta, há de se registrar, continua já na próxima quarta-feira (13/10), quando o Inter receberá, diante de sua gente, o América-MG.

VAMO, INTER!

Rolê da Vacina: centenas se vacinam contra a Covid-19 no Beira-Rio

Saci (E) e Seu Gotinha (D) receberam público que se vacinou no Beira-Rio/Foto: Felipe Bortoluzzi

A Maior e Melhor Torcida do Rio Grande voltou para casa neste sábado (25/09). O retorno, é verdade, não ocorreu em virtude de partida, mas foi motivado pela mais nobre das causas, com centenas rumando ao Gigante, desde às 9h, para se vacinar contra a Covid-19. Organizado na altura do Portão 3, o posto de vacinação, que ofereceu primeira, segunda e terceira doses, fez parte da campanha Rolê da Vacina, iniciativa da Prefeitura de Porto Alegre apoiada por Inter e Beira-Rio, e operou até as 16h de hoje.

Além da multidão – não aglomerada, é claro – de colorados e coloradas, que totalizou mais de 2.000 pessoas, representantes de Clube do Povo e Prefeitura também marcaram presença no evento. Alessandro Barcellos, presidente do Internacional, e Sebastião Melo, prefeito da capital, estiveram acompanhados de seus respectivos pares de gestão, e saudaram o público que, após tomar a vacina, pôde ingressar no gramado do Beira-Rio e tirar fotos com as taças de Mundial e Libertadores.

Paulo Marques (E), Sebastião Melo, Alessandro Barcellos, José Olavo Bisol e Ricardo Gomes (D)/Foto: Feliz Bortoluzzi

O mascote Saci e a banda da Guarda Popular tiveram a responsabilidade de criar um merecido clima de festa aos vacinados que se aproximavam da goleira norte do Beira-Rio. Além deles, um posto avançado da Central de Atendimento ao Sócio (CAS) foi montado para associar colorados e coloradas que, imunizados, estão aptos a participar da campanha Inter no peito, vacina no braço, que oferece isenções a novos sócios que já tenham tomado a vacina.

Família de artilheiro marca um golaço

Outro ponto alto da manhã colorada foi a presença dos familiares de Yuri Alberto, atacante colorado, no posto de vacinação do Beira-Rio. Flávia Monteiro, mãe, Maria Monteiro, irmã, e Carlos Alberto, pai do jogador, aproveitaram o sábado para visitar a casa do filho e reforçar a imunização contra o novo coronavírus, marcando um gol digno das pinturas tradicionalmente anotadas pelo camisa 11 do Clube do Povo.

Familiares de Yuri Alberto se vacinaram na casa colorada/Foto: Felipe Bortoluzzi

Celeiro de Ases: saiba como foi a reinauguração do CT Alvorada

Uma estrutura gigante precisa de uma base forte de sustentação. Com imenso orgulho, e presenças especiais, nesta sexta-feira (24/09) reinauguramos a casa do Celeiro de Ases! Confira tudo que rolou no evento em Alvorada: