Nova camisa II celebra 15 anos do título mundial

A histórica conquista no Japão está representada na camisa II para a temporada 2021/22, lançada nesta sexta-feira (21/5) por Inter e adidas. Totalmente branca, assim como há 15 anos na antológica final contra o Barcelona, a camisa carrega o escudo do Clube do Povo, o logo adidas e as três listras em vermelho, além de um sign-off, na nuca, da cidade e do ano em que o Colorado alcançou a taça: Yokohama/2006.

COMO ADQUIRIR:

Sexta (21/5), sábado (22) e domingo (23): Venda exclusiva para sócios do Inter!

– Nas lojas físicas do Inter (clique aqui para conferir a relação de lojas) mediante apresentação da carteirinha de sócio.

– On-line: acessando a Área de Sócios – faça seu login com matrícula/senha e clique no banner da camisa.

De 24 a 27 de maio: Venda para a torcida em geral exclusivamente nas lojas do Inter (internet e lojas físicas)!


Com falas inéditas de Fernandão, reconstruídas por meio de tecnologia, lançamento homenageia o título mundial de 2006

A campanha da camisa II buscou símbolos importantes na história colorada e resgatou a voz do eterno capitão Fernandão, a taça levantada, a torcida e seu amor pelo Clube e a estrela, que representa a conquista máxima do Inter em seus 112 anos.

Inter e a adidas recriaram a voz de Fernandão – capitão do time de 2006 – para presentear a torcida com um vídeo recheado de imagens da partida, embaladas pela voz deste que é um dos maiores ídolos da história do Inter.

O material aproxima ainda mais a trajetória do time à paixão de quem o impulsionou até a vitória ao trazer também depoimentos de sócios torcedores. Dos que cruzaram o mundo e viram de perto a vitória aos que nasceram à época e cresceram orgulhosos do time do coração, o vídeo traz relatos dos colorados que viveram esse momento inesquecível à sua maneira, e que tiveram histórias de vida cruzadas com a conquista. O manifesto convida o torcedor a reviver os momentos marcantes e celebrar essa vitória que move a apaixonada nação colorada.

Colorado reforça importância do combate à pirataria

A sintonia entre Inter e torcida é decisiva dentro e fora de campo e, portanto, precisa ser preservada diante de possíveis interferências – caso, por exemplo, da pirataria.

Anualmente o Sport Club internacional tem uma importante receita oriunda de royalties pelo uso da sua marca. São milhares de produtos que garantem receita adicional ao clube e ajudam na construção de um time competitivo a cada ano. A pirataria reduz este valor e enfraquece nosso clube, como revela Nelson Pires, vice-presidente de Marketing e Mídia do Internacional:

“O dano causado pelo material falsificado acaba repercutindo no Clube, nas fábricas licenciadas e nas lojas oficiais. O pirata não paga royalties ao Inter e nem impostos ao governo. O aumento dos produtos pirateados diminui o interesse dos parceiros em licenciar a nossa marca. Assim, as nossas receitas são reduzidas. A menor oferta de produtos licenciados também acaba elevando os preços finais nas lojas, gerando um ciclo negativo. Além disso, nos produtos oficiais adidas, nos quais o Clube é remunerado através de royalties, a venda de falsificados interfere diretamente no nosso caixa.”

Para muitos, os preços reduzidos são o principal benefício encontrado no mercado de falsificados. Dentro da vasta gama de produtos que comercializa, porém, Pires destaca que o Inter conta com materiais que atendem todos os bolsos, respeitando a história popular do Colorado:

O Inter é o Clube do Povo. Na nossa linha de produtos, temos o cuidado de sempre atender todas as faixas de renda. Um exemplo recente são as máscaras de proteção ao Covid-19: enquanto o mercado informal as comercializa entre R$ 5 e R$ 10, nós vendemos a R$ 9 e ainda revertemos a compra em uma doação àqueles que não têm condições de adquirir a sua. Além disso, o Clube tem uma área especializada em licenciamentos que ajuda aqueles interessados em produzir um item com a nossa marca e também quem deseja divulgar ou promover produtos. Esta área ainda tira dúvidas sobre a origem dos produtos.”

Na luta contra a comercialização de produtos falsificados, o Inter conta com o importante apoio de um escritório especializado no combate a pirataria. Diretor do escritório Meirelles IPC, parceiro do Clube, Felipe Meirelles ressalta que o Colorado ocupa papel de precursor na luta por direitos autorais dentro do futebol:

O Inter está envolvido nesta luta há muitos anos. Já fechamos fábricas inteiras voltadas à falsificação de produtos, bem como lojas que comercializavam produtos pirateados.”

A prática de produzir e/ou comercializar materiais falsificados relaciona-se a muitos crimes, em especial dos tipos contra marca e consumidor. Além disso, o Inter, quando vítima de casos de pirataria, tem o direito de cobrar indenizações por danos morais e materiais, como explica Felipe:

“O direito de cobrar uma indenização por danos morais refere-se ao dano causado à imagem do Clube, afinal, uma vez que estamos falando de um produto de baixa qualidade que circula com a marca estampada. Quem calcula e determina o valor a ser pago ao Inter é o próprio juiz. Já os danos materiais são fixados por alguns regramentos da lei.”

As redes sociais têm se convertido em solo fértil para a proliferação de materiais falsificados. Se por um lado facilitam o comércio de produtos pirateados, contudo, as tecnologias também são aliadas no combate ao crime:

“Contamos com um software que rastreia produtos falsificados na internet, os identifica e, automaticamente, realiza a denúncia da publicação. Perfis reincidentes, ou que vendem grandes quantidades, costumam ter sua conta derrubada pois estão infringindo as políticas da plataforma, seja ela Facebook, Instagram ou algum site.”

Felipe Meirelles

Pode ser enquadrado como pirata todo o material não licenciado que faça menção à marca do Internacional. A torcida colorada também pode auxiliar no combate à comercialização de falsificados enviando denúncias, que serão mantidas em anonimato, para o endereço licenciamento@internacional.com.br.