Conheça os primeiros campeões da Liga Colorada de Futebol Virtual

Primeiro campeonato de futebol eletrônico do Clube do Povo, a Liga Colorada de Futebol Virtual já tem seus vencedores de PES2020 definidos. Disputadas na última terça-feira (04/08) nas plataformas Xbox One e PlayStation 4, as finais do game consagraram Tiago Schmidt e Rodrigo Rodriguez como campeões.

Rodrigo foi o grande vencedor no PlayStation 4. Dono de campanha irretocável no torneio, venceu 16 das 18 partidas que disputou. Na final, encarou Henry da Costa Porto, e triunfou, nos confrontos de ida e volta, pelo mesmo placar, 2 a 1.

A decisão no Xbox teve contornos ainda mais emocionantes. Após empatar o embate de ida por 2 a 2, Tiago estava garantindo o título com triunfo de 2 a 1 no duelo de volta até que, no último lance, Anderson chegou ao gol de empate, forçando a realização de uma terceira partida. Nesta, o campeão foi arrasador e, por 4 a 0, conquistou o campeonato.

Campeões, mais do que o orgulho em ostentar o título de vencedor do torneio organizado pelo Colorado, Tiago e Rodrigo ganharão, cada um, uma camisa oficial do Clube do Povo, um Headset Gamer JBL novinho e, quando os estádios forem reabertos ao público, um ingresso para o camarote do Internacional. As decisões do game Fifa20, vale lembrar, serão disputadas, tanto em Xbox One quanto PlayStation 4, na próxima terça-feira (11/08). Parabéns à dupla vencedora de PES!

Você também pode participar de iniciativas como a Liga, exclusivas para sócios e sócias alvirrubros! Para tanto, basta se associar clicando aqui!

A coroa continental completa 13 anos

Felizes somos por ter nossa biografia escrita em vermelho. Rubro tom usado pelos guerreiros antes de uma batalha, a cor se confunde à vida do Inter, legítimo combatente que jamais se permite iniciar um duelo derrotado. Gigante Colorado das glórias, cansou de reverter situações difíceis apostando no apoio da Maior e Melhor Torcida do Rio Grande, que é também a mais obstinada nação de nossas terras. Com esta persistência, por exemplo, conquistamos, no dia 07 de junho de 2007, a Recopa Sul-Americana.


Pré-jogo de mobilização

É fato: o século XXI alimentou nossa determinação em lutar até o último centímetro de grama. Por diversas vezes corremos a ponto de metamorfosear sangue e barro, meião e pele, chuteira e encouraçado da bola.

Cancheiro como poucos, o Clube do Povo encerrou os primeiros 90 minutos da decisão contra o Pachuca em dívida no escore. Havíamos marcado um, pelos pés de Pato, contra dois dos mexicanos, e a virada, portanto, convertia-se em uma indigesta obrigação. Por sorte, o Inter conta com o privilégio de ver sua mística, uma das maiores do continente, crescer ainda mais em partidas eliminatórias.

O gol de Pato/Imagem: SporTV

“Devemos isso à torcida,

que nos ajudou até o final.”

ALEXANDRE PATO, APÓS O JOGO

Sabendo que a soma de campo e cimento nos faz mais fortes, a torcida vermelha adotou postura exemplar já no desembarque do elenco, marcado por recepção calorosa no Aeroporto Salgado Filho. Poucos dias depois, o povo formou, assim que iniciada a comercialização de ingressos, filas quilométricas no pátio do Beira-Rio. Embora considerável, contudo, a multidão, formada pelos milhares que peregrinaram à Padre Cacique em busca de uma entrada, tornou-se pequena quando comparada à presente no Gigante na noite da finalíssima.

Verdadeiro caldeirão, mais apimentado do que qualquer chili mexicano, nosso templo esteve tomado das cadeiras à inferior, embebedado por atmosfera capaz de contagiar o elenco alvirrubro e engolir qualquer obstáculo. Caso conquistada, a taça continental se somaria aos troféus de Mundial e Liberdadores, consagrando a tão desejada Tríplice Coroa colorada.

Escalado por Gallo, o Inter foi a campo com Clemer no gol; Ceará, Índio, Sidnei e Rubens Cardoso na defesa; Edinho, Wellington Monteiro, Alex e Pinga no meio; Iarley e Pato no ataque. Desfalcado de seu capitão, mais do que um 12º jogador o Colorado buscava, nas arquibancadas do Gigante, um sinal de protagonismo, uma demonstração de que, a despeito do tempo em que a desvantagem resistisse no placar, teria a torcida ao seu lado. Conscientes de tamanha responsabilidade, os mais de 51 mil colorados e coloradas presentes no Beira-Rio fizeram questão de, no momento da entrada dos times em campo, liquidar todas as dúvidas.

Após convocar, nome a nome, cada um dos atletas, a multidão comprovou, da melhor maneira possível, que, naquela noite, Clube e Povo seriam campeões. Apitado o início do confronto, um ensurdecedor ‘Vamo, Vamo Inter’ tomou conta da capital gaúcha.


A tensa etapa inicial

Enquanto o Gigante balançava de maneira ininterrupta, as redes custavam a ser estufadas. Não por culpa do Inter, que antes dos 15 minutos já acumulava oportunidades desperdiçadas, e sim do irônico destino, que parecia interceder nos rumos da partida, reservando boas doses de tensão ao Clube do Povo. Como desdobramento, nosso primeiro respiro aliviado chegou apenas aos 29 minutos.

“Só com o sacrifício e com o apoio

é que se consegue conquistar!”

ALEX, NA FESTA DO TÍTULO

Após passar quase um quarto de hora sem conseguir furar a defesa visitante, o Colorado chegou ao ataque em rápida tabela de Iarley e Pato. Lançado pelo jovem, o camisa 10 do Mundial foi derrubado por Pinto. Falta, dentro da área, assinalada pela arbitragem.

Alex converteu pênalti que, ao mesmo tempo em que nos aproximava do título, em nada afugentou o risco de uma escapada rival. Coube, então, ao Gigante, que antes fora atacante, começar a defender, impossibilitando qualquer princípio de troca de passes mexicana.

A canhota de Alex que fez explodir o Beira-Rio/Imagem: SporTV

Uma atuação de Rei para garantir a coroa

Logo na volta do intervalo, Pinga serviu de gasolina ao incendiário Beira-Rio, acendendo não a torcida, já efervescente, mas o clima de carnaval, digno de um título continental conquistado por brasileiro. O meio-campista recebeu grande passe de Wellington Monteiro e, de primeira, finalizou cruzado, com efeito, direto na bocheca da rede mexicana.

Ao Pachuca, não restou alternativa senão abandonar a retranca e tentar encurralar o Inter. Não contavam os mexicanos, no entanto, que pouco mais de 10 minutos após o segundo, chegaria o terceiro. Lançado pela esquerda, Pato provou o quão embalado estava pela arquibancada e, de frente para a marcação, decidiu sambar. Pobre da coluna do adversário que, entortada, viu o Beira-Rio explodir e Alexandre, de frente para a torcida, reger a festa. Golaço da jovem promessa!

Já na reta final da partida, quem decidiu entrar na roda foi Mosquera. Representando toda a América, o zagueiro se curvou à euforia colorada e, ao desviar contra o próprio patrimônio cruzamento vindo de Pinga, salsou à brasileira. Quarto gol vermelho, e jogo encerrado.

Mosquera impediu o gol de Pato, mas não a goleada alvirrubra

“Três títulos importantes,

todos estão de parabéns!

A conquista é o fechamento de 2006!”

Fernandão, depois de levantar a taça

Contínuo ao apito final, teve início uma verdadeira apoteose no gramado do Beira-Rio, com direito a invasão de torcedores que puderam, aos abraços e reverências, festejar com os atletas colorados. O relógio já se aproximava da primeira meia hora do dia 8 quando, ladeado por Fernandão e Clemer, Iarley ergueu a taça continental. Inter, campeão da Recopa e dono não apenas do continente, mas também da Coroa. Tríplice.

É CAMPEÃO!

Inter, o melhor do mundo!

O beijo da taça no capitão que melhor lhe tratou na história/Foto: Jefferson Bernardes

É CAMPEÃO DO MUNDO!!! O planeta passou a ter uma nova cor neste domingo (17/12). Histórico, o Inter venceu o Barcelona, na grande final do Mundial de Clubes da Fifa, e assim coloriu a Terra em vermelho e branco. Disputada na japonesa cidade de Yokohama, a inesquecível decisão foi encerrada com triunfo por 1 a 0 do Clube do Povo, gol de Adriano Gabiru. Predestinado, o artilheiro responsável por colocar o Colorado no seleto grupo de donos do planeta estufou as redes catalãs aos 36 minutos do segundo tempo, pouco depois de entrar em campo no lugar de Fernandão.


O pré-jogo

Sem Hidalgo, machucado, o técnico Abel Braga escolheu Rubens Cardoso para a lateral-esquerda. Nas demais posições, o time colorado repetiu a formação que derrotara o Al-Ahly nas semifinais, assim subindo a campo, vestindo branco, com Clemer no gol; Ceará, Índio, Fabiano Eller e Rubens, na defesa; Edinho, Wellington Monteiro, Alex e Fernandão no meio; Pato e Iarley na frente.

Os 11 iniciais/Foto: Jefferson Bernardes

Do outro lado, o Barcelona de Frank Rijkaard esteve escalado com Victor Valdes no gol; Zambrotta, lateral campeão do mundo com a Itália no último mês de julho, Rafa Marquéz, Puyol e Van Bronckhorst, na defesa; Thiago Motta, Iniesta e Deco, no meio; e Ronaldinho, o atual melhor jogador do mundo, Gudjohnsen e Giuly, no ataque. A equipe foi a mesma que, no último dia 14, goleou o América-MEX na semifinal do Mundial.

Lotado por mais de 70 mil pessoas, o Estádio Internacional de Yokohama demonstrou, ao longo de toda a noite, grande simpatia pela equipe europeia, com especial destaque para os craques Ronaldinho e Deco, constantemente ovacinados pelo público. O ambiente hostil, contudo, em nada intimidou as centenas de colorados e coloradas que, localizados principalmente atrás da goleira esquerda, cantaram e apoiaram o Inter durante os 90 minutos, decorando as arquibancadas nipônicas com bandeiras e faixas do Clube do Povo.

Após bonito espetáculo protagonizado por jovens crianças e embalado por um grupo de música pop japonesa, as equipes entraram em campo perfiladas, respeitando o tradicional protocolo da FIFA. Considerado visitante, o Inter teve seus atletas completamente fardados de branco, com a maioria vestindo mangas longas devido ao intenso frio nipônico.


Primeira etapa movimentada

Palco da decisão da Copa do Mundo de 2002, o Estádio Internacional de Yokohama assistiu à partida que esteve, desde seus primeiros movimentos, à altura da mística de suas arquibancadas. Vivendo grande momento, o Barcelona bem que tentou impor seu ritmo desde o minuto inicial, mas esbarrou no grande entrosamento da retaguarda colorada. Como se fora um meio-campista, Fernandão não oferecia respiro a Motta, perturbando a tradicionalmente qualificada saída de bola catalã. Diante do cenário positivo, o Clube do Povo começou a se soltar, criando boas oportunidades com Fernandão, Rubens Cardoso, Iarley e Pato.

A resposta dos europeus, tidos por quase toda a crônica esportiva como favoritos, chegou aos 18 minutos, em chute forte de Van Bronckhorst. O holandês botou bastante curva na bola, exigindo grande reflexo de Clemer, que espalmou para a direita. Ronaldinho aproveitou o rebote e mandou de primeira, mas direto pela linha de fundo. Deste momento em diante, a partida ficou mais concentrada entre as duas intermediárias, com o Barcelona apostando em bolas alçadas para Gudjohnsen e forçando faltas, enquanto o Inter tentava encaixar um rápido contra-ataque que poderia ser fatal. Como elemento surpresa, Índio, aos 37, teve a última boa oportunidade da etapa inicial, finalizando por cima jogada tramada com Wellington Monteiro.


O mais internacional dos tempos

Os 20 minutos iniciais da última etapa repetiram o cenário de abertura do primeiro tempo. Presente no campo ofensivo, o Inter levava perigo aos espanhóis ao mesmo tempo em que, no campo de defesa, contava com maiúscula atuação do sistema para segurar o ímpeto catalão. O cenário foi radicalmente revolucionado, todavia, aos 23, quando Fernandão sentiu cãibra após disputar bola por cima.

Após receber rápida massagem na panturrilha, o capitão retornou a campo e tentou, por quase cinco minutos, permanecer na partida, até não resistir às dores. Abel, então, chamou Gabiru, mas, no instante em que a troca seria feita, um novo problema surgiu: o nariz de Índio, que não parava de sangrar. O defensor precisou sair de campo em busca de uma nova camisa limpa. Ao mesmo tempo, recebia atendimento que impedia o comandante colorado de realizar a prevista substituição, que seria a terceira. Assim, o Inter permaneceu, durante intermináveis minutos, com um (e meio) a menos no gramado, até Índio retornar e Adriano entrar, aos 30.

Guerreiro, Índio!/Foto: Ricardo Duarte

Se no papel foi Adriano quem substituiu Fernandão, animicamente coube a Iarley ocupar o espaço de liderança deixado pelo capitão. Chamando a responsabilidade para si e importunando a defesa rival, o camisa 10 encontrou seu momento de maior brilhantura na partida aos 36, curiosamete em combinação com Gabiru, certamente abençoado por Fernando, que tudo assistiu da beira do campo.

Em velocidade, o quixeramobinense recebeu escorada de Luiz Adriano e, da altura do meio de campo, partiu em velocidade após aplicar caneta desconcertante em Puyol. Exatos cinco segundos após o corte, serviu açucarada assitência para Gabiru, que não perdoou. Gol. O mais importante de nossa história, o único da partida, apesar dos esforços de Deco, parado por Clemer, Ronaldinho, condenado pelo destino, e companhia. Faltando um segundo para os 48, Carlos Batres apitou pela última vez na partida e oficializou a conquista alvirrubra.


O Japão tremeu

O MUNDO É NOSSO/Foto: Jefferson Bernardes

Uma vez encerrado o confronto, a distância de 20 mil quilômetros entre Japão e Rio Grande do Sul foi encurtada a ponto de habitantes de uma terra confirmarem ser possível ouvir os festejos promovidos noutra. Goethe e Yokohama viraram um só ambiente, ou melhor, passarela, sobre a qual desfilou o popular bloco colorado.

Comemora o povo alvirrubro/Foto: Ricardo Duarte

Mais do que no momento do apito final, verdade seja dita, foi pontualmente às 21h38min do Japão, 10h38min do Brasil, que a euforia foi, enfim, iniciada. Neste instante, poucos minutos depois de Iarley ser premiado como o segundo melhor atleta da competição, Fernandão ergueu a taça do Mundial, colorindo, de vez, o mundo em alvirrubro. Depois disso, os jogadores deram a tradicional volta olímpica e partiram para a festa que não tem dia, hora ou lugar pra acabar. Comemore, povo colorado. O mundo é nosso!


Os principais lances da partida:

Primeiro tempo

Segundo Tempo


Ficha técnica

Internacional (1): Clemer; Ceará, Índio, Fabiano Eller e Rubens Cardoso; Edinho, Wellington Monteiro, Alex (Vargas) e Fernandão (Adriano); Alexandre Pato (Luiz Adriano) e Iarley. Técnico: Abel Braga.

Barcelona (0): Valdes; Zambrotta (Beletti), Márquez, Puyol e Van Bronckhorst; Motta (Xavi), Iniesta e Deco; Giuly, Gudjohnsen (Ezquerro) e Ronaldinho. Técnico: Frank Rijkaard.

Gol: Adriano (I), aos 36min do segundo tempo.

Cartões amarelos: Índio, Iarley e Adriano (I); Motta (B).

Público: 67.128.

Arbitragem: Carlos Batres (Guatemala), auxiliado por Carlos Pastrana (Honduras) e Leonel Leal (Costa Rica).

Local: Estádio Internacional de Yokohama, no Japão.

A América é do Inter!

RBS TV transmite final neste domingo (24/5) Foto: Jefferson Bernardes

O Internacional é o maior time da América! O time alvirrubro conquistou o título da Libertadores após empate dramático por 2 a 2 com o São Paulo na noite desta quarta-feira (16/8), no Beira-Rio. Os gols do Clube do Povo foram marcados por Fernandão e Tinga, enquanto Fabão e Lenílson descontaram para os paulistas. O Inter ainda jogou os últimos 27 minutos com um jogador a menos porque Tinga foi expulso. Campeão, o Colorado agora se prepara para a disputa do Mundial Interclubes, em dezembro deste ano, no Japão.


Pré-jogo especial!

O ambiente antes da partida já demonstrava toda tensão e emoção que aguardavam a Maior e Melhor Torcida do Rio Grande. Completamente mobilizada depois de triunfo por 2 a 1 na partida de ida, disputada no Morumbi, o povo colorado chegou cedo ao Gigante. Tamanha movimentação criou filas quilométricas, que se alongavam por todo o Complexo Beira-Rio horas antes de o duelo ser iniciado. No momento em que o ônibus que trouxe a delegação adentrou às dependências do Estádio, a massa correu em direção aos atletas, saudando cada um com gritos de apoio.

Isso vai marcar todos os jogadores,

todo mundo vai lembrar de nós!

Nos mostraram as imagens do pessoal

que ficou na fila durante dias e isso

nos sensibilizou muito, nos motivou!

Fernandão

No momento da entrada do time colorado em campo, um Beira-Rio completamente lotado saudou os heróis da noite, oferecendo grande manifestação de apoio e fé na conquista. Emoldurado por sinalizadores e foguetes, o Gigante rugia em uma só voz, empurrando o Clube do Povo ao som dos clássicos ‘Vamo, Vamo, Inter’ e ‘Nada vai nos Separar’, hinos desta campanha. Dentro de campo, os jogadores certamente eram contagiados por toda a energia positiva oriunda das arquibancadas.

Foto: Jefferson Bernardes

Expulso na partida de ida, o volante Fabinho foi o único desfalque do técnico Abel Braga para a partida desta quarta-feira. A alternativa encontada pelo comandante foi alçar Índio ao time titular, armando a equipe em um 3-5-2. No gol, como de costume, esteve Clemer, protegido pelo trio de zagueiros formado por Índio, pela direita, Bolívar, no centro, e Fabiano Eller, na esquerda. A ala direita ficou a cargo de Ceará, enquanto Jorge Wagner fez a esquerda. Por dentro, os volantes Edinho e Tinga ofereceram o apoio necessário ao meia Alex. Completando o time, Sobis e Fernandão formaram a dupla de ataque.

Foto: Jefferson Bernardes

De sua parte, o São Paulo foi a campo sem Ricardo Oliveira, negociado, e Josué, que também recebeu o vermelho no Morumbi. Às ausências, Muricy Ramalho respondeu escalando: Rogério Ceni; Fabão, Lugano e Edcarlos; Souza, Mineiro, Richarlyson, Danilo e Júnior; Aloísio e Leandro.


Primeiro tempo de dois momentos

Em linhas gerais, a etapa inicial seguiu a cartilha esperado para uma partida decisiva. Foi intensa a marcação imposta pelos dois times aos ataques adversários, característica que teve como consequência a profusão de faltas e passes errados. Apenas nos primeiros minutos, verdade seja dita, existiu um predomínio paulista, condição até já esperada, fruto da desvantagem visitante no placar agregado.

“Fizemos o que tinha de ser feito:

corremos como se tivéssemos

perdido no Morumbi.

Esquecemos da vantagem e fomos

com a mesma garra que temos

jogado em todos as partidas.”

Jorge Wagner

Bem postado, o Inter segurou a pressão visitante e escapou sem sofrer maiores sustos, assumindo as rédeas da partida assim que completado o primeiro terço de jogo. Efetivo, o Clube do Povo abriu o placar aos 29 com Fernandão, aproveitando confusão da zaga tricolor, causada por cruzamento venenoso de Jorge Wagner. À frente no marcador, o Colorado administrou o resultado até o intervalo, ainda levando perigo em boas escapadas.


De tirar o fôlego

O segundo tempo foi dramático e impróprio para cardíacos. Afinal de contas, correspondeu aos últimos 45 minutos restantes para qualquer equipe buscar o título. Ofensivo desde o soar do apito inicial, o São Paulo não cessou o ritmo nem mesmo com o empate, que chegou aos 5. Já o Inter, sempre abraçado por quase 60 mil vozes, conseguiu suportar os momentos mais difíceis e retomar a dianteira com Tinga, no início da metade final da partida.

Na comemoração, contudo, o camisa 7 colorado foi expulso e deixou o Clube do Povo com um a menos, abrindo, de uma vez por todas, o apoteótico capítulo de união entre time e torcida. É bem verdade que os visitantes marcaram seu segundo tento, mas não passaram disso. Aos pontuais 48 minutos, Horacio Elizondo apontou para o centro de campo e oficializou, de uma vez por todas, que a América estava livre. Livre, e colorida em vermelho e branco!

“A festa está completa.

Ganhamos o mais importante.

O Inter é o time que eu torço,

que meus amigos todos torcem!”

Tinga

Carnaval colorado

Foto: Jefferson Bernardes

Encerra a partida, jogadores, dirigentes, funcionários e torcedores entraram em êxtase. Depois de 97 anos de história, o Inter conquistava sua Libertadores, e os heróis da noite não cansavam de comemorar a taça, correndo eufóricos pelo gramado. Cria do Celeiro e grande nome da partida de ida, Rafael Sobis circulava pelo campo de jogo carregando uma gigantesca bandeira do Clube do Povo, como que fincando nosso mastro em solo continental e afirmando a soberania colorada em terras latino-americanas.

“Não tem título mais importante.

Estou no clube desde sua fase ruim,

mas nós conseguimos levantar o Inter

e alegrar o torcedor.

Essa torcida é muito sofrida e

merece essa festa!”

Clemer

Não houve quem ousasse arredar o pé do Beira-Rio. Todos, à exceção dos torcedores rivais, queriam assistir ao capitão Fernandão erguendo a mais cobiçada taça das Américas. No centro do pódio, às 0h25 o camisa 9, craque da decisão e artilheiro da Libertadores recebeu o troféu e ergueu em frente ao mar vermelho que celebrou encantado. Em seguida, teve início a volta olímpica, inaugurando a mais carnavalesca noite já vista em um agosto gaúcho.


Confira os principais lances da partida:

Primeiro tempo:

1min – Clemer! Júnior levanta na área, Aloísio desvia de cabeça e Danilo completa, finalizando. Goleiro colorado fica com ela.

6min – GRANDE, CLEMER! Aloísio rola boa bola para Danilo, que chega batendo de primeira, de fora da área. Paredão colorado espalma em linda ponte e manda para escanteio.

6min – Por cima! Após cobrança de escanteio, a bola fica viva na área e sobra com Lugano, que manda sobre o travessão alvirrubro.

10min – SAAAAAAAAAALVA CENI! Jorge Wagner é lançado na área pela esquerda, chega na bola em velocidade e finaliza de canhota. Goleiro adversário sai bem do gol e consegue abafar o arremate com grande defesa.

13min – UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUH! Jorge Wagner lança Fernandão em profundidade. Capitão colorado invade a área dominando e, no momento de arrematar, sofre o desarme de Edcarlos, que atenta contra o próprio gol. Ceni salva, com muito reflexo.

17min – Jogo parado. Festa da torcida colorada, com sinalizadores, gera grande fumaça sobre o campo.

22min – Bola volta a rolar.

25min – TIIIIIIRA A ZAGA! Sobis faz boa jogada pela direita e cruza no segundo pau. Dentro da pequena área, Souza afasta, de qualquer maneira, para escanteio. Está amadurecendo o gol colorado!

26min – PRA FOOOOOOOOOOOORA! Jorge Wagner cobra escanteio na primeira trave. Ceará desvia de cabeça e ela sobra limpa para Índio, que chuta por cima. É pressão colorada no Gigante!

29min – GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL DO INTERNACIONAL! É DO CLUBE DO POVO, DO COLORADO, DO ALVIRRUBRO ENCARNAAAAAADO! UH, FERNANDÃO! UH, FERNANDÃO! Jorge Wagner cobra falta da intermediária, pela direita. Fechada, a bola vai na direção de Ceni, que tenta encaixar, mas não consegue. Genial, Fabiano Eller se antecipa à atordoada zaga paulista e serve Fernandão, livre na pequena área. De carrinho, o capitão colorado manda para o gol vazio. Agora, o Inter tem 3 no agregado, 1 na partida, e vai colocando uma mão na taça. Explode o Beira-Rio!

45min – NA TRAAAAAAAAAAAAAAAVE! Jorge Wagner levanta na áera, Eller desvia de cabeça e Índio, também com a nuca, manda buscando o ângulo. A bola explode no travessão e sai causando calafrios na defesa tricolor.

46min – Júnior cruza para Fabão, que arremata para fora.

51min – Fim de papo na primeira etapa!


Segundo tempo:

1min – UHHHHHH! Ceará vai ao fundo pela direita e cruza rasteiro. Fernandão chega finalizando de primeira e manda ao lado do gol, com muito perigo!

5min – Souza cobra falta na direção da área colorada, Lugano desvia e Fabão, na segunda trave, completa para o gol. Tudo igual.

12min – Boa chegada! Jorge Wagner levanta bola na medida para Eller, que cabeceia por cima!

13min – Muda o São Paulo. Danilo e Richarlyson dão lugar, respectivamente, a Lenílson e Thiago.

20min – GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL DO IIIINNNNTEEEEEEEEEEEEER! GOLAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAÇO COLORADO! DA ACADEMIA DO POVO! DO TIME QUE VAI SER CAMPEÃO DA AMÉRICA! TEU POVO TE AMA, TINGA! TINGA! TIIIIIIIIIIINGA! Sobis faz grande jogada, invade a área pela direita e deixa atrás com Ceará, que cruza aberto. Soberano, Fernandão cabeceia para baixo, como manda o figurino, exigindo milagre cinematográfico de Ceni. O rebote, entretanto, é colorado, é do Capitão, que levanta na medida para Tinga, livre e com o gol aberto, testar para as redes. O Beira-Rio entra em erupção!

22min – Por levantar a camisa na comemoração, Tinga recebe o segundo amarelo e é expulso.

25min – São Paulo encerra as trocas com a entrada de Alex Dias na vaga de Edcarlos.

33min – Lenílson recebe bola ajeitada na entrada da área, pela esquerda, e chuta buscando o canto. Ela vai para fora, levando perigo.

34min – Alex deixa o campo para a entrada de Michel!

35min – Pra fora! Aloísio pega a sobra de cruzamento e, livre, dentro da área, finaliza forte. Assustou!

37min – Entra Ediglê, sai Sobis. Abel reforça a marcação!

39min – Júnior chuta da entrada da área, Clemer espalma para o lado e ela fica com Lenílson, que empata o jogo.

44min – CLEMER! CLEMER! CLEMER! CLEMER! MILAAAAAAAAAAAAGRE! Júnior cruza na segunda trave e Alex Dias manda cabeceio forte. Ídolo colorado voa no ângulo para defender, mandando em escanteio.

46min – CLEEEEEMER! Souza chuta de fora da área e goleiro colorado, em dois tempos, faz a defesa. NÃO VAI ENTRAR! NÃO VAI ENTRAR! NÃO VAI ENTRAR!

48min – ACABOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOU! É CAMPEÃO! INTER! INTER! CAMPEÃO! CAMPEÃO! INTER! INTER! CAMPEÃO! CAMPEÃO! VENCEMOS A LIBERTADORES! LIBERTAMOS A AMÉRICA! FAÇA A FESTA, TORCEDOR COLORADO, O CONTINENTE INTEIRO É NOSSO. ESSE TÍTULO É SEU, É DE TODOS QUE VIVEM ESSA PAIXÃO MARAVILHOSA! VAMO, INTER!

Ficha técnica:

Internacional (2): Clemer; Índio, Bolívar e Fabiano Eller; Ceará, Edinho, Tinga, Alex (Michel) e Jorge Wagner; Sobis (Ediglê) e Fernandão. Técnico: Abel Braga

São Paulo (2): Rogério Ceni; Fabão, Lugano e Edcarlos (Alex Dias); Souza, Mineiro, Richarlyson (Tiago), Danilo (Lenílson) e Júnior; Leandro e Aloísio. Técnico: Muricy Ramalho.

Gols: Fernandão (I), aos 29min do primeiro tempo, Fabão (SP), aos 5min40seg do segundo tempo, Tinga (I), aos 20min40seg do segundo tempo, Lenílson (SP), aos 39min30seg do segundo tempo.

Arbitragem: Horacio Elizondo, auxiliado por Rodolfo Otero e Dario Garcia (trio argentino)

Cartões amarelos: Edinho, Tinga, Alex, Bolívar, Edinho (I), Aloísio (SP).

Expulsão: Tinga (I).

Público: 57.554 (8.656 pagantes e 43.915 sócios). Renda: R$ 719.365,00.

Local: Estádio Beira-Rio.