Apresentado, Diretor Executivo William Thomas define o Inter como o maior desafio de sua carreira

O novo Diretor Executivo do Clube do Povo foi oficialmente apresentado em entrevista coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (22/04). Durante mais de meia-hora, William Thomas comentou os pilares de seu trabalho como gestor, destacando a valorização das categorias de base e a busca por constante humanização no trato com torcida e imprensa, exemplificou seu modo de atuação no mercado de transferências, elogiou o projeto esportivo que vem sendo implementado no Inter e revelou o orgulho que sente por chegar ao Colorado, desafio que definiu como o maior de sua carreira.

“Quando eu falo que é o meu maior desafio, é porque é mesmo.

Sei da grandeza do Internacional, e me sinto apto e confiante.

Sou um competidor, não gosto de dar passo para trás na minha carreira,

e vim aqui para crescer!”

William Thomas
William Thomas é o novo Diretor Executivo do Internacional/Foto: Ricardo Duarte

Nas palavras de Emílio Papaleó Zin, a chegada de William Thomas completa o grupo técnico do Futebol colorado. O novo Diretor Executivo, de acordo com o vice-presidente, trabalhará lado a lado com Paulo Autuori, assumindo funções que vinham sendo divididas por diferentes membros do Departamento. Com a chegada do profissional, o Clube projeta não apenas um exitoso encerramento de temporada, mas um importante acréscimo para o maior período possível.

“William é um profissional qualificado, com boa experiência e bons trabalhos realizados por onde passou. Com a chegada dele, competente e conhecido, estamos fechando o nosso grupo técnico. O William trabalhará em conjunto com o Paulo Autuori, o nosso Diretor Técnico, exercendo, par e passo com ele, e com a minha supervisão, essas atividades tão importantes. Tenho certeza que aqui ele se realizará mais ainda profissionalmente. Seja muito bem-vindo, tenha boa sorte. Terás de nós, certamente, todo o apoio e a colaboração para dar andamento aos trabalhos que estão sendo realizados!”

Emílio Papaléo Zin
Emílio Papaleó (D) apresentou William para torcida e imprensa/Foto: Ricardo Duarte

Antes mesmo de responder os questionamentos feitos pelos profissionais de imprensa presentes no Centro de Treinamento, William fez questão de se pronunciar à Maior e Melhor Torcida do Rio Grande. Anunciado no sábado passado (16/04), o Diretor Executivo esteve no Beira-Rio na última partida disputada pelo Inter, e testemunhou o papel decisivo desempenhado pelo povo colorado na vitória de 2 a 1 sobre o Fortaleza, conquistada diante de mais de 36 mil pessoas presentes no Gigante.

“Faço um agradecimento especial ao torcedor colorado. Desde a minha primeira participação aqui no Clube, pude sentir, na pele e no coração, o quão importante ele foi no último domingo, na vitória contra o Fortaleza. Fica aqui o reconhecimento de que queremos que isso se torne um hábito, esse incentivo e essa participação do torcedor. Tenho certeza que ele quer ser representado dentro de campo da melhor forma, e a equipe também demonstrou que isso é possível e que é capaz de vencer partidas de forma convincente e consistente.”

William Thomas

William revelou que já recebera outros convites da direção colorada no passado, e que esse interesse do Clube lhe fazia ter a certeza de que um dia trabalharia no Beira-Rio. Nascido em ambiente familiar que integrava esporte e edução, fruto das profissões de seu pai, atleta de futsal, e de sua mãe, professora, o Executivo soma mais de 23 anos de atuação no futebol. Gabaritado pelo sucesso que atingiu no Athletico-PR e engrandecido por trajetória no gigante Santos, o currículo de Thomas, cuja construção foi explicada pelo próprio, justifica a cobiça alvirrubra pelo profissional.

“Nasci e cresci no ambiente do esporte e da educação, consigo fazer esse elo muito bem, mas, acima de qualquer coisa, entendo que princípios e valores de comportamento são imprescindíveis no ambiente futebol. Eu trabalhei em oito países, trabalhei em categorias de base, trabalhei em clubes exitosos e clubes grandes. Mais recentemente, trabalhei na reestruturação de um projeto que está com uma visão diferente com relação à profissionalização. Foram quatro meses, e tenho certeza que que deixei uma contribuição importante.”

William Thomas
Diretor Executivo foi apresentado na manhã desta sexta-feira/Foto: Ricardo Duarte

Feliz e motivado, de acordo com suas próprias palavras, William elucidou que, em um cenário de consolidação da profissionalização do Clube, com especial destaque para o Futebol, sua chegada tem por objetivo integrar e intensificar os projetos atualmente empreendidos no Inter. Seu grande objetivo enquanto Diretor, portanto, é fazer parte do crescimento institucional colorado, meta que só será atingida através da ininterrupta busca por qualificação dos processos.

“Me honra muito fazer parte dessa equipe, nesse estágio que se encontra o projeto, com uma visão de integração, de projeto sistêmico, elaborado de forma que possa integrar todas as áreas, para que possam contribuir numa melhor comunicação, interação e produtividade, com foco principal no desempenho esportivo. Que a gente vislumbre uma coesão de alinhamento conceitual, seja nas categorias de formação, seja na transição, seja na prospecção de atletas, seja no trabalho diário e consistente dos nossos profissionais. Esse é o grande desafio: melhorar e qualificar ainda mais esse processo.”

William Thomas

Dentro das ações que empreenderá como Diretor Executivo, William elencou a contratação de atletas como a mais difícil. Afinal, Thomas entende que o jogador de futebol não pode ser analisado fora do contexto em que está inserido, e que qualquer transferência carrega, apesar da expectativa por iminente retorno dentro de campo, necessárias adaptações fora das quatro linhas. Por isso, o profissional defende que o Clube tem a obrigação de oferecer o máximo aporte para que cada atleta atinja a melhor forma possível com a camisa colorada.

“Dentro das responsabilidades da função, uma das mais difíceis é contratar atletas. Porque, antes do atleta, tem um ser humano, uma pessoa. Então, nada mais lógico do que uma avaliação constante e permanente, principalmente apostando que a qualidade do trabalho interno, do dia a dia, pode fazer com que os jogadores cheguem no seu melhor nível. Acredito que vamos compor uma equipe que tem tudo para ser competitiva, e tenho certeza que, quem vier, vai aumentar o nível competitivo interno. Isso faz com que todo mundo se mova em prol do crescimento e da melhora individual, o que vai repercutir no coletivo.

William Thomas

A procura por jogadores disponíveis no mercado de transferências é uma prática que William conduz de maneira integrada ao acompanhamento das categorias de base. Entusiasta do histórico formador do Celeiro de Ases, o Executivo ressaltou que, apesar do imediatismo cobrado pelo futebol, os jogadores precisam ter respeitado seu ciclo de formação, o que exige metas solidamente traçadas e uma constante análise das carências e necessidades presentes no elenco do futebol profissional.

“A tradição nos mostra que o Internacional é um dos grandes formadores de atletas do mundo. Então, quando se fala em avaliação do plantel, a gente tem que fazer uma avaliação também do nosso processo interno, dos jogadores que estão em processo transição. Não existe uma fórmula mágica, os ciclos são muito mais longos, e a continuidade de um alinhamento metodológico, a continuidade de uma integração e a melhora da comunicação no que tange aos processos de treino e desenvolvimento vão fazer com que o Inter alcance o ponto ótimo de aproveitamento.”

William Thomas

O Inter será o quarto clube em que William Thomas e Paulo Autuori trabalharão juntos, sendo que a dupla já esteve reunida em duas ocasiões diferentes no Athletico-PR. Reencontrar o amigo é um estímulo a mais para o Executivo, que enxerga no Diretor Técnico colorado valências técnicas e humanas capazes de contagiar e mobilizar qualquer ambiente – especialmente o esportivo, que tanto convive com a pressão diária por resultados e conquistas.

“O que posso dizer é que o Paulo é um dos poucos profissionais, no futebol brasileiro, que tem a capacidade, nos pilares técnico e humano, de causar impacto no ambiente e nas instituições e, principalmente, de inspirar as pessoas. Mostrar que é possível, acreditar e ver a transformação humana e profissional acontecer no dia a dia. Pra mim, além do convite e da grandeza do Sport Club Internacional, também é um orgulho ter a oportunidade de estar ao lado do Paulo, e ao lado mesmo, porque nossa atuação é complementar.”

William Thomas
Executivo foi apresentado no CT Parque Gigante/Foto: Ricardo Duarte

Alan Patrick: “espero continuar escrevendo essa história de vitórias aqui”

Meio-campista retornou ao Clube do Povo (Fotos: Ricardo Duarte)

A camisa 10 do Clube do Povo já tem novo dono. De volta ao Clube do Povo, Alan Patrick foi apresentado nesta quinta-feira (21/04) e falou da honra em vestir o manto colorado. Após longo período atuando na Ucrânia, o meio-campista expressou sua motivação em voltar a dar alegrias para a torcida.

> Leia também: Alan Patrick está de volta ao Inter

Com contrato assinado até abril de 2025, ele também comentou a parceria de longa data com Taison quando atuaram juntos no Shakhtar. Além disso, analisou sua evolução como jogador, seu estilo de jogo e como pode ajudar a equipe comandada por Mano Menezes dentro de campo.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista coletiva do reforço colorado.

Alan Patrick recebeu do vice de futebol Emílio Papaléo Zin a camisa 10 do Inter

> Assista à entrevista coletiva na íntegra

Camisa 10
“Essa camisa tem uma história muito linda, vestida por ídolo que eu admiro e tive o prazer de jogar junto. Para mim, é uma honra. Obviamente, o D’Ale tem uma história lindíssima e é um cara insubstituível. Claro que eu, dentro das minhas características, vou procurar apresentar meu futebol, com meu estilo de jogo. Sempre com o objetivo de fazer o Inter mais forte, fazer o Inter vencer e chegar às conquistas. Estou muito motivado para isso.”

História no Inter
“É um Alan Patrick diferente daquele de anos atrás. Porém, vem comigo e carrego na memória a lembrança de ter sido feliz aqui, de ter sido campeão. Espero continuar escrevendo essa história de vitórias aqui.”

Relação com Taison
“O Taison é um amigo, estivemos jogando juntos muito tempo lá na Ucrânia. Me dou super bem com ele, temos também um entrosamento e entendimento de ter jogado muito tempo juntos. A gente espera poder aplicar também isso aqui no Internacional. Lá, tivemos algumas conquistas. Espero levantar troféus aqui, juntos novamente. É uma parceria muito boa, nos damos super bem.”

Estilo em campo
“Acho que depende de como será a tática que o Mano irá montar a equipe. Tive dois ou três treinadores nesse período no Shakhtar onde joguei em posições diferentes, como 8 ou como 10, dependendo da tática. Pode ser também aquele 10 mais centralizado, avançado e próximo ao centroavante. É por onde sempre atuei, as minhas características cabem a esse estilo dentro de campo. Estou disponível pra atuar onde o ‘mister’ achar que eu devo atuar e ele enxergar que seja melhor pra equipe. Vou procurar dar o meu melhor”

Pedro Henrique é apresentado no time do seu coração: “um grande orgulho vestir essa camisa”

Atacante falou pela primeira vez como jogador colorado (Fotos: Ricardo Duarte)

Em muito breve, o torcedor colorado poderá ver mais um dos seus dentro de campo. Natural de Santa Cruz do Sul, o atacante Pedro Henrique chegou da Europa com o objetivo de honrar a camiseta que tanto usou durante a infância. Apresentado oficialmente nesta quinta-feira (21/04), ele falou pela primeira vez como jogador colorado.

> Leia também: Inter contrata atacante Pedro Henrique

Fã do ídolo Fabiano nos anos 1990, Pedro terá a oportunidade de correr pelo mesmo pedaço de campo do Beira-Rio em que o famoso camisa 7 fez história, mas com o manto de número 28. Conterrâneo do eterno Bolivar, revelou conversa com o General duas vezes libertador da América, a quem prometeu honrar as cores coloradas e sua cidade natal.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista coletiva de apresentação do reforço colorado.

Pedro Henrique foi apresentado pelo vice-presidente de futebol Emílio Papaléo Zin (D)

> Assista à entrevista coletiva na íntegra

Chegada ao Inter
“Primeiramente, para mim, é um enorme prazer, um grande orgulho vestir a camisa do Internacional. Eu sei onde estou chegando, sei da grandeza, sei de tudo o que o clube é.”

Mais um torcedor em campo
“É até um pouco difícil falar sobre isso. É um momento de felicidade, é um momento de mais uma vez agradecer a minha família, que está aqui, eles sabem o quanto eu trabalhei para chegar neste momento. Mas, passando isso, depois é seriedade, é saber que o compromisso e comprometimento tem que ser muito grande. O Inter é um time que almeja e merece isso, é pra isso que estou preparado. Sendo também um torcedor, um jogador que é identificado com as cores do clubes desde a infância, é claro que eu não carrego um peso diferente. Eu carrego uma responsabilidade de dar ao torcedor, de dar para minha família, coisas positivas. Assim com pude fazer nos outros clubes, não tenho dúvida que vou fazer aqui.”

Família do jogador marcou presença na apresentação

Readaptação ao futebol brasileiro
“Eu tive experiências em países diferentes. Na Turquia, por exemplo, a gente tinha muitos adversários com muitos jogadores estrangeiros, muitos Sul-Americanos. Uma característica parecida com a do futebol brasileiro, que pra mim, sem dúvidas, é um dos campeonatos mais difíceis do mundo, o equilíbrio é muito grande. A matéria prima de jogadores jovens, que estão servidos ali nas categorias de base para o clubes é muito grande. Não só pelo tamanho, mas pela quantidade que tem no nosso país. Então acredito que não vai ser tão difícil me adaptar. Como eu disse, sei onde estou chegado, jogando poderei provar que estou preparado para o objetivo.”

Ídolos no Inter
“Tive muitos. No final do anos 1990, teve o Fabiano, que era um jogador de beirada, que gostava da característica de um contra um, fazia gols, e bem decisivos mesmo. Tem o conterrâneo da minha cidade que é o Bolivar, que não preciso dizer aqui quem é e o que significa para o clube, um jogador que ganhou títulos expressivos aqui. Conversei com ele quando cheguei, ele disse a responsabilidade agora também é minha, honrar também o nome da nossa cidade. Tenho certeza que farei isso.”

Condição física
“Hoje tive meu último dia de transição com o preparador físico. A partir de amanhã já posso treinar com o grupo normalmente. Então semana que vem já estarei disponível para o professor Mano.”

Melhor momento da carreira
“Sempre tive grandes objetivos. Fui para a Europa muito cedo e tive momentos de evolução cruciais (…) Acredito que chego no melhor momento da minha carreira. No melhor momento como atleta e como pessoa. Nada mais justo do que eu chegar aqui e retribuir tudo isso que eu tenho, no futebol e como pessoa, para o Internacional.”

“Sabemos e vamos deixar claro aonde queremos chegar!” Mano Menezes é apresentado no Beira-Rio

O futebol masculino alvirrubro tem um novo comandante. Anunciado na noite de ontem, Mano Menezes foi oficialmente apresentado como técnico do Clube do Povo no final da manhã desta quarta-feira (20/04). Dono de rico e vitorioso currículo, o profissional, contratado até o final de 2022, concedeu entrevista coletiva na sala de imprensa do Beira-Rio, e compartilhou sua satisfação em retornar ao Inter após 20 anos de sua primeira passagem pelo Colorado, à época realizada na função de treinador da categoria juvenil do Celeiro de Ases.

“Sabemos e vamos deixar claro onde queremos chegar.

Não conheço ninguém que evolua sem vencer.

O torcedor quer um modelo de jogo,

mas quer ganhar amanhã e no jogo seguinte,

e isso dá confiança para avançar!”

Mano Menezes
Mano Menezes é o novo técnico do Inter/Foto: Ricardo Duarte

A coletiva de apresentação do técnico colorado contou com as presenças de Alessandro Barcellos, presidente do Internacional, Emílio Papaléo Zin, vice de Futebol, Paulo Autuori, Diretor Técnico, e William Thomas, Diretor Executivo. Diante dos microfones, foi o mandatário do Clube do Povo quem primeiro se pronunciou à imprensa, sublinhando a rica trajetória construída por Mano Menzes no esporte e projetando o encaixe do profissional no cada vez mais estruturado Departamento de Futebol alvirrubro.

“Hoje, a gente consolida a formatação profissional daqueles que conduzirão o Departamento de Futebol do Inter. Apresentamos o Paulo Autuori como Diretor Técnico, responsável por todo o departamento junto com o William, que assume, também, nessa transversalidade. E, agora, o responsável por nossa equipe, de orientação e modelo de jogo, é o Mano Menezes, que hoje completa esse trio. Mano é um treinador que todos conhecem. Sua história, sua trajetória, começou no Rio Grande do Sul e percorreu Brasil e mundo.”

Alessandro Barcellos
Paulo Autuori (E), Alessandro Barcellos, Mano Menezes, Emílio Papaléo e William Thomas (D)/Foto: Ricardo Duarte

Emílio Papaléo também celebrou a chegada de Mano Menezes, reforçando o sentimento de satisfação com que o Clube encara o retorno do profissional. O vice-presidente de Futebol ainda definiu Mano Menezes como um profundo conhecedor da cultura gaúcha e colorada, ressaltando que essa experiência pode ser fundamental para o técnico na missão de conduzir o Inter a grandes feitos em 2022, ano que recentemente teve iniciadas as disputas da Sul-Americana e do Campeonato Brasileiro.

“Devo dizer, Mano, da alegria de te ter de volta no Beira-Rio. Tens uma carreira vitoriosa e, mais do que qualquer outro atributo, a plena consciência e conhecimento da nossa cultura e do que representa o Internacional. Com a tua chegada, fechando essa equipe técnica junto de Autuori e William Thomas, sei que tu vais nos ajudar, contribuindo para que o Internacional retome sua senda de vitórias. Seja bem-vindo!”

Emílio Papaléo Zin
Comandante posou para fotos ao lado do presidente e do vice de Futebol/Foto: Ricardo Duarte

Encerrados os pronunciamentos do corpo diretivo colorado, Mano Menezes atendeu às perguntas dos profissionais de imprensa presentes no Beira-Rio. O técnico, que minutos mais cedo comandara seu primeiro treino no CT Parque Gigante, falou sobre o retorno ao Inter, a busca do Clube por uma filosofia consolidada de futebol, sua maneira de trabalhar no dia a dia e de algumas convicções que carrega a respeito de estruturação tática de equipes, além de externalizar sua alegria em trabalhar com Paulo Autuori, amigo de longa data, mas com quem jamais dividira funções em uma mesma time. Confira as principais aspas:

Foto: Ricardo Duarte

“Primeiro, quero falar ao torcedor colorado da minha felicidade de estar aqui nesse momento. Voltar ao Clube que fez uma importante parte na minha formação como técnico de futebol. Acredito que tudo na vida tem sua hora. Se estou aqui, é porque tenho conhecimento e bagagem para o Internacional, e também penso que o Internacional é o Clube certo para me ajudar. Quando isso existe, as coisas tendem a andar bem.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Acho saudável que o Internacional busque uma filosofia para o Clube. Um dos grandes problemas que nossos times têm é a constante transformação, que às vezes faz com que você viva em círculos. É extremamente importante buscar uma identidade. Mas acho que precisamos saber o caminho para chegar aonde queremos, e nós sabemos e vamos deixar claro onde queremos chegar. Não conheço ninguém que evolua sem vencer.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Dificilmente vocês vão ter de mim um comentário individual, a menos que seja para fazer um grande elogio, às vezes depois de uma atuação extraordinária que a gente deve reconhecer. Minhas análises, quase sempre, serão da equipe, e ainda é um pouco cedo para falar sobre como vou montá-la. Eu penso o futebol de uma forma bem completa. Não conheço times vencedores que só se comportam de forma defensiva, nem times defensores que só propõem. O futebol, pra mim, é tudo isso.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Penso sempre o futebol, primeiro, na parte tática. Uma equipe organizada taticamente recupera muitas coisas, e quando as coisas precisam ser recuperadas, simplificar é o caminho inicial. Procuro montar minhas equipes com linha de quatro defensiva. Hoje, a maioria das equipes, quando inicia a construção da jogada, inicia com uma linha de três, e uma linha de três não significa três zagueiros. Minha ideia é essa saída de três, com dois zagueiros e um lateral.”

Mano Menezes

“Vou procurar obedecer e respeitar a característica dos jogadores que fizerem a formação, porque isso é tirar o melhor de cada um. Vamos, sim, construir com qualidade, porque hoje, se você não fizer isso, dificilmente estará entre as melhores equipes. O futebol, para mim, é simples: se não tivermos a bola, temos que, imediatamente, trabalhar para recuperá-la. Todos. E quando tivermos a bola, precisamos de competência para não entregar para o adversário. Penso eu que existe um potencial de melhora bastante grande no Inter.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Vou montar o time do Internacional com as características que temos. Precisamos obedecer às características, o que queremos deles, que é o profissionalismo, o comprometimento e a entrega. Para você gerenciar um grupo tão grande de profissionais, você tem que construir uma maneira de comportamento, e privilegiar aquilo que eles entregam em favor da equipe. Você também leva em consideração os seus principais jogadores, que você julga que sustentem a sua maneira de jogar.”

Mano Menezes
Foto: Ricardo Duarte

“Paulo Autuori faz parte da minha vida como treinador. Eu estava ainda no Guarani de Venâncio Aires quando tive a honra de dirigir um centroavante chamado Caio Júnior, e ele me proporcionou a aproximação com o Paulo. A partir daí, nunca nos desligamos, mesmo estando longe e nunca tendo trabalhado juntos. Pra mim, é uma honra trabalhar com um profissional como ele, que julgo como dos mais competentes em termos de conhecimento para realizar o trabalho que se propõe. Juntamente com todos, acho que o Internacional inaugura, no Clube, a forma adequada de conduzir um Departamento de Futebol.”

Mano Menezes
Mano Menezes já comandou atividades na manhã desta quarta-feira/Foto: Ricardo Duarte

Sob o comando de Mano Menezes, o elenco colorado tem mais dois dias para trabalhar antes de voltar a campo. No próximo sábado (23/04), às 19h, o Clube do Povo enfrenta o Fluminense, no Maracanã, em duelo da terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Atualmente, o Inter soma três pontos na competição, conquistados no domingo passado (17/04), data de vitória de 2 a 1 sobre o Fortaleza, no Beira-Rio.

> Leia também: Mano Menezes é o novo técnico do Inter

> Leia também: Com participação de Mano Menezes, Colorado treina no CT

Apresentado, Renê revela carinho pelo Inter e fala sobre expectativa de fazer história com o Colorado

Anunciado na última segunda-feira (11/04), o mais novo lateral-esquerdo do Clube do Povo foi oficialmente apresentado na manhã desta terça. Aos 29 anos, Renê chega ao Inter após passagens de destaque por Flamengo, clube com o qual conquistou 10 títulos e atingiu premiações individuais de alcance estadual e nacional, e Sport, com quem ergueu as taças do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste. Multicampeão por onde passou, o piauiense destacou, em sua primeira coletiva como atleta colorado, a ambição que carrega para sua trajetória no Beira-Rio.

“Eu saí (do Flamengo) principalmente porque preciso de novos ares, de novos desafios. Sou um cara que gosta de fazer história por onde passa. Passei seis anos no Sport, cinco anos e meio no Flamengo, e espero passar muitos anos aqui. Chego para dar o meu melhor, contribuir no que for preciso, tanto dentro quanto fora de campo, e espero ser muito feliz. Venho nessa confiança, aceitei esse desafio porque acredito que o Inter vai brigar por títulos.”

Renê
Novo lateral colorado foi apresentado nesta terça-feira/Foto: Ricardo Duarte

Contratado até o final de 2024, Renê foi apresentado, na sala de imprensa do CT Parque Gigante, por Emílio Papaléo Zin, vice-presidente de Futebol do Clube do Povo. O dirigente colorado elencou os motivos que levaram o Inter a procurar o vitorioso lateral, e compartilhou suas expectativas de que o novo jogador, ao qual desejou boas-vindas, contribua intensamente na luta alvirrubra por grandes feitos na presente temporada.

“Tenho a satisfação de apresentar o Renê, jogador que tem contrato até dezembro de 2024. Com larga experiência e títulos conquistados por onde passou, é um atleta que, seguindo nossa filosofia de trabalho, vem reforçar o nosso plantel com o objetivo de contribuir positivamente para o alcance dos nossos objetivos nessa temporada. Então, Renê, seja muito bem-vindo. Faça do Beira-Rio a tua nova casa, e desejo, em nome do Sport Club Internacional, uma consolidação da tua carreira já vitoriosa, e que tu te sintas, aqui, absolutamente à vontade.”

Emílio Papaléo Zin
Renê recebeu as boas-vindas de Emílio Papaléo Zin/Foto: Ricardo Duarte

De sua parte, Renê justificou a valorização que recebeu do Inter como o principal porquê de vir a Porto Alegre. O lateral revelou que já fora procurado pelo Clube do Povo em outras ocasiões, tanto durante sua passagem pelo Sport quanto ao longo dos anos que passou no Rio de Janeiro, e sacramentou que, se nas outras vezes o negócio não pudera ser concretizado, agora não desperdiçaria a oportunidade de vestir a camisa colorada.

Foto: Ricardo Duarte

“Acredito que o Inter tem time para brigar lá em cima na tabela, e meu objetivo é vir para cá e fazer história. Em outras oportunidades, o Inter já foi atrás de mim, e eu tenho um carinho especial por ser um clube que sempre tentou me contratar. Quando eu estava no Sport, foi uma vez, e quando eu estava no Flamengo, acho que duas. Não foi possível, mas, dessa vez, eu falei para a minha esposa que queria vir, por ser um lugar onde me valorizavam.”

Renê

Renê também analisou as características do futebol que apresenta dentro de campo. Polivalente, capaz de atuar com obrigações mais ofensivas, a exemplo do que fizera no Flamengo ao longo da temporada de 2019, ou dando maior atenção à defesa, o lateral definiu estar disponível para jogar como o técnico Alexander Medina preferir. Além disso, valorizou a qualidade dos laterais que já integram o elenco colorado, sublinhando que a experiência de seus novos companheiros também deve ser respeitada.

Foto: Ricardo Duarte

“Comecei, no Sport, muito ofensivo. Com o tempo, passei a jogar mais defensivamente, mas vou muito pelo que o treinador pede. Procuro fazer sempre o que o treinador pede. Nos tempos do Jorge Jesus, o Flamengo jogava praticamente com uma linha de três, com a entrada do Arão, e eu ficava mais ofensivo. Depois, chegou o Domènec, e eu já era mais defensivo. Chego para somar, agregar. Não sou salvador, não vai ser por causa da minha chegada que o time não vai tomar mais gols, mas acredito que vou ajudar. Acho a equipe muito qualificada, com laterais de experiência, que podem ajudar também.”

Renê

O espírito solidário e voluntarioso apresentado pelo atleta dentro de campo também se faz presente fora das quatro linhas. Se diante dos microfones o próprio se reconheceu um pouco tímido, Renê confidenciou que, nos bastidores, costuma atuar como uma liderança positiva, sempre trabalhando para ver os companheiros motivados e de cabeça erguida, independente de fase ou minutos somados nas quatro linhas.

“Sou um cara, em público, um pouco tímido, mas, no vestiário, gosto de conversar com cada um. Analisar quando o cara está triste e dar uma animada. Podem esperar isso de mim, sou um líder interno. Gosto de pensar nos meus companheiros, sei como é difícil, e tento motivar, explicar que é no dia a dia que você se prepara para, quando tiver oportunidade, mostrar seu melhor. O Inter vai ganhar um cara que vai ajudar demais fora das câmeras e que, em campo, vai ser guerreiro, vai lutar por tudo, a todo minuto, para essa camisa sair vitoriosa.”

Renê
Renê já foi integrado aos trabalhos no CT Parque Gigante/Foto: Ricardo Duarte

Com nome já publicado no BID, Renê integra, desde o início desta semana, os trabalhos da comissão técnica de Alexander Medina, que tem preparado o Inter para a segunda rodada da fase de grupos da Sul-Americana. Na próxima quinta-feira (14/04), no Beira-Rio, o Clube do Povo enfrentará o Guaireña-PAR na estreia colorada como mandante na competição. Confirme aqui sua presença na partida!

Vitão é apresentado: “vou defender as cores do Inter da melhor maneira possível!”

Mais novo zagueiro do Clube do Povo, o paranense Vitão foi oficialmente apresentado no final da manhã desta sexta-feira (08/04). Contratado junto ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, o atleta, que fechou com o Inter por três meses, já teve o nome publicado no BID, e possui condições legais de defender o Colorado nas disputas de Sul-Americana e Brasileirão. Revelado pelo Palmeiras, Vitor Eduardo da Silva Matos compartilhou, em sua primeira entrevista como jogador alvirrubro, a alegria por retornar ao futebol brasileiro.

“Quero deixar clara minha felicidade por vestir essa camisa.

Estou muito focado,

e vou defender as cores do Internacional

da melhor maneira possível!”

Vitão
Vitão foi apresentado nesta sexta-feira/Foto: Felipe Bortoluzzi

Coube ao vice-presidente de Futebol do Inter, Emílio Papaléo Zin, a responsabilidade de apresentar o novo zagueiro colorado. Na sala de coletivas do CT Parque Gigante, o dirigente deu boas-vindas ao atleta e seus familiares, que marcavam presença no ambiente, além de detalhar as minutas do negócio estabelecido entre Vitão e Clube do Povo. Papaléo ainda ressaltou a vasta experiência internacional do paranaense de 22 anos, campeão do Campeonato Ucraniano e da Supercopa da Ucrânia com as cores do Shakhtar.

“É com muita satisfação que apresentamos o Vitão. Atleta de 22 anos, zagueiro, com grande experiência internacional. Estamos ultimando um contrato de três meses, cumprindo a regra especial da FIFA para atletas do futebol ucraniano. O Vitão poderá disputar a fase de grupos da Sul-Americana, e já está inscrito no BID.”

Emílio Papaléo Zin
Vitão posa para fotos ao lado de Emílio Papaléo Zin/Foto: Felipe Bortoluzzi

Encerrada a fala do vice de Futebol colorado, Vitão posou para fotos com a camisa do Internacional, que vestirá com o número 44 às costas, antes de atender aos repórteres presentes no CT. Uma vez posicionado diante dos microfones, o zagueiro agradeceu pela excelente recepção que teve em Porto Alegre, revelou já se sentir em casa no Beira-Rio e justificou o porquê de ter assinado com o Clube do Povo.

Foto: Felipe Bortoluzzi

“Desde que cheguei, todos me receberam muito bem. Estou me sentindo em casa, e quero agradecer pela recepção de todos. Tive sondagem de outros clubes, mas, com todo respeito a eles, o Internacional é gigante. Quando chegou a proposta, eu não pensei duas vezes.”

Vitão

Cria palmeirense, Vitão pouco atuou como profissional no futebol brasileiro. Multicampeão na base, quando também era figura carimbada nas Seleções Sub-15, Sub-17 e Sub-20, o zagueiro partiu bastante jovem para a Ucrânia, motivo pelo qual não é tão conhecido pelo grande público de seu país. Diante deste cenário, o defensor fez questão de detalhar algumas das principais características que tem dentro de campo.

“Em questão da preferência de lado,

consigo jogar pela direita e pela esquerda.

Vim para fazer meu jogo e, claro,

se for preciso adaptar, estou preparado.”

Vitão

Por fim, o novo reforço alvirrubro falou de suas condições de jogo. Afastado dos gramados há mais de um mês, em consequência da paralisação do calendário futebolístico na Ucrânia, Vitão revelou estar trabalhando forte no CT Parque Gigante desde o início da semana. Os trabalhos, que foram elogiados pelo contratado, têm oferecido ao jogador uma perceptível evolução diária, como o próprio revelou.

“Estou com a minha cabeça totalmente focada em ajudar. Agradeço pela oportunidade e pela confiança que depositaram em mim. Estou preparado, treinando firme nessa semana. O Clube tem grandes profissionais me preparando. Hoje já estou melhor do que ontem, e amanhã estarei melhor do que hoje.”

Vitão
Família de Vitão acompanhou a coletiva direto do CT Parque Gigante/Foto: Felipe Bortoluzzi

Paulo Autuori é apresentado no Beira-Rio

“O destino quis que, exatamente no aniversário do Internacional, a torcida colorada fosse brindada com essa apresentação.” Foi assim que Emílio Papaléo Zin, vice-presidente de Futebol do Clube do Povo, comunicou, de maneira oficial, a chegada do mais novo Diretor Técnico alvirrubro. Aos 65 anos, Paulo Autuori foi anunciado na sexta-feira passada (01/04), mas concedeu sua primeira entrevista neste retorno ao Beira-Rio exatamente na data em que o Colorado completa 113 anos de história. Na Sala de Imprensa do Gigante, o profissional discorreu, ao longo de dezenas de minutos, a respeito dos pilares que nortearam e ainda norteiam sua trajetória no futebol mundial, concentrando atenções e holofotes ao longo desta manhã de segunda-feira (04/04).

“Meu trabalho é muito simples:

facilitar ao máximo a vida do treinador.

E, para isso, vou me dedicar.”

Paulo Autuori
Alessandro Barcellos (E), Paulo Autuori e Emílio Papaléo Zin/Foto: Ricardo Duarte

Coube ao presidente Alessandro Barcellos a primeira fala na coletiva, e o mandatário fez questão de, antes mesmo de cumprimentar o Diretor Técnico, celebrar o aniversário colorado através de pronunciamento à Maior e Melhor Torcida do Rio Grande. Nesse, o dirigente citou a gloriosa história alvirrubra e sublinhou os esforços que o Clube tem empreendido com o objetivo de atingir crescente sucesso e acumular alegrias. Barcellos ainda lembrou das iminentes estreias em Sul-Americana e Brasileirão, respectivamente previstas, no calendário alvirrubro, para os próximos dias 6 e 10, para então saudar a chegada de Paulo Autuori ao Inter.

“É disso que se trata esse momento. De saudar a história e de nos colocar em dois grandes desafios a curto prazo. Para isso, temos feito algumas correções e avaliações, e hoje é um ponto importante. O Autuori vem cumprir uma função que é nova no futebol brasileiro. Que poucos exercem, e ainda menos com a maestria que ele desempenha. Tem um perfil que dispensa apresentações, e a capacidade dele de fazer uma leitura nas mais diversas dimensões que incluem o futebol nos dão a certeza de que essa história vai deixar um legado muito grande.”

Alessandro Barcellos
Presidente (E) abriu a coletiva de apresentação do novo Diretor Técnico/Foto: Ricardo Duarte

Papaléo sucedeu o presidente, e igualmente exaltou o currículo construído por Autuori no futebol. Multicampeão como treinador e também vencedor na recente trajetória que constrói fora das quatro linhas, o profissional teve elogiado seu trato com as pessoas, capaz de, nas palavras do vice-presidente de Futebol do Inter, deixar portas abertas por onde passou. As valências do Diretor Técnico, inclusive, têm sido atestadas por todos desde sábado (02/04), quando o carioca de 65 anos acompanhou, pela primeira vez, atividades no CT Parque Gigante.

“O momento não é de comemoração, porque nós, como disse o presidente, logo mais embarcamos para fora, onde começaremos um importante certame. Já no próximo final de semana começa o Campeonato Brasileiro, e nosso foco está absolutamente centrado nessas competições. Mas nem por isso deixamos de festejar, nesse dia, a chegada de Paulo Autuori, que não parou um minuto desde que chegou a Porto Alegre. Não tenho a menor dúvida de que será uma grande contribuição. Seja muito bem-vindo!”

Paulo Autuori
Autuori (C) já acompanhou as atividades do último sábado/Foto: Ricardo Duarte

Devidamente recepcionado, com direto a entrega de camisa personalizada, Paulo Autuori agradeceu pelo caloroso trato com que foi recebido em seus primeiros dias de Inter, e deixou claro que a melhor maneira de responder às boas-vindas será através do trabalho. Diante dos microfones, o protagonista da manhã parabenizou a “enorme, histórica e gloriosa” instituição que é o Clube do Povo, e passou a atender aos questionamentos feitos pela imprensa. Logo de cara, em sua primeira resposta, o Diretor Técnico elaborou sobre o papel que o futebol ocupa em sua vida.

Foto: Ricardo Duarte

“Costumo dizer que o futebol é vida. Por vezes, queremos deixar o futebol em um mundo à parte, mas as coisas não são assim. Cada vez mais, ele é um fenômeno socioeconômico. Sociológico, antropológico, porque é tudo, contexto e homem, e mesmo filosófico, e talvez algumas escolas de treinadores sejam fortes porque contemplam isso. O treino faz o jogo, e o jogo justifica o treino.”

Paulo Autuori

Preparador físico no início de sua carreira, que logo tomou o rumo do comando de casamatas, Autuori soma mais de 25 anos de experiência no futebol do exterior. Dono de passaporte que conta com carimbos de Japão, Catar, Peru e Colômbia, ele, que milita no esporte há quase cinco décadas, começou a atuar de maneira específica em cargos de bastidores no início de 2017, e desde então acumula passagens, seja enquanto coordenador ou diretor, por equipes como Athletico-PR, Fluminense e Santos. Independente de função, porém, Paulo elencou o trabalho em equipe como característica que mais valoriza no dia a dia.

“Saber a diferença entre o ser e o estar. Aprendi isso ao longo da minha vida. Ser é uma coisa duradoura, e estar é momentâneo. Para mim, a terminologia não diz absolutamente nada. A minha essência é o trabalho em equipe. Sempre foi, na minha vida no futebol. Passei por todas as atividades ligadas ao campo, o que me dá segurança em relação àquilo que é o nosso contexto. E me gera convicções muito claras em relação a poder ter passado por três continentes e ter tentado entender o que é o futebol nesses lugares.”

Paulo Autuori
Paulo Autuori é o novo Diretor Técnico colorado/Foto: Ricardo Duarte

Desde que chegou a Porto Alegre, Paulo Autuori já empreendeu suas primeiras ações na rotina do CT Parque Gigante. Profundo conhecedor das particularidades do calendário brasileiro, ele reconhece que o futebol de nosso país oferece tempo extremamente escasso para trabalhar, e sabe que, diante deste cenário, a agilidade assume contornos ainda mais fundamentais, bem como a honestidade no trato com o grupo de jogadores – que precisa ser recíproca, independente da situação encarada dentro de campo.

Foto: Ricardo Duarte

“Não há como você falar em tempo no futebol brasileiro. Isso é óbvio. Agora, assim que você entra, existem medidas de curtíssimo prazo, outras de curto, e também de médio. Uma coisa que eu exijo sempre, dos grupos com os quais trabalho, é que nós somos o que somos, e temos que sê-lo em todas as circunstâncias e momentos. Meu contato com os jogadores é diário, permanente, assim como com a comissão técnica. O fim do processo é o jogo, mas, até chegar lá, existe um invisível, que para a maioria das pessoas não interessa. Nós julgamos resultado, mas não analisamos o trabalho.”

Paulo Autuori

A respeito dos primeiros contatos que estabeleceu com os profissionais que integram o Departamento de Futebol colorado, Paulo Autuori elogiou a comissão técnica liderada por Alexander Medina, especialmente pela capacidade de adaptação que o uruguaio tem apresentado na capital gaúcha. Fiel aos seus princípios, o ‘Cacique’ demonstra evidente disposição a se encaixar nas exigências do contexto colorado, qualidade comemorada pelo novo Diretor.

Foto: Ricardo Duarte

“Acho que o Inter tem uma comissão técnica de muito bom nível. Trabalhei muito tempo fora do Brasil, e posso dizer que o Medina tem uma coisa extraordinária, que é saber ler o contexto. Por vezes, alguns profissionais, quando trabalham fora de seu país, tentam apenas repetir o que faziam nos seus. Se adaptar ao contexto, sem jamais ferir sua ideia, princípios e valores; nisso, o Medina é extraordinário. Pela maneira com que se comunica em relação ao futebol.”

Paulo Autuori

Autuori ainda falou sobre o papel fundamental que o aspecto psicológico desempenha no futebol de hoje. Para além das sempre citadas valências físicas, técnicas e táticas, o carioca ressaltou que os jogadores precisam ter um lado mental forte para atingir o sucesso. Com isso, podem superar, inclusive, equipes mais bem cotadas, ao mesmo tempo em que a ausência dessa capacidade tem o potencial de comprometer todo o resto do que foi preparado.

Foto: Ricardo Duarte

“A forma desportiva é muito clara, e tem a ver com quatro pilares: técnica, que é do jogador, tática, da estratégia, física e mental, que nesse momento é a mais importante. Mais do que jogador de futebol, você é um competidor. Por vezes, você pode não ser superior ao seu antagonista tecnicamente, mas, se for mais forte mentalmente, vence. Por isso o futebol é imponderável. Por isso tem uma massa de adeptos. Não adianta uma tremenda forma física, a técnica estar bem, taticamente cumprir o que o treinador quer, mas, mentalmente, estar frouxo. Ser forte mentalmente, é isso que eu peço!”

Paulo Autuori

Por fim, o novo Diretor Técnico do Internacional deixou claro que balizará suas atitudes cotidianas a partir das necessidades do Clube do Povo, postura que naturalmente poderá resultar em medidas impopulares – até mesmo para o próprio. As vontades pessoais, afinal, serão relegadas ao segundo plano, em nome de um trabalho que está pronto para lidar com a pressão que decorre de vestir as cores de um gigante do futebol.

“Há situações em que você precisa fazer, em termos de gestão, e estou falando de gestão esportiva, medidas impopulares. Uma coisa é necessidade. Outra, vontade pessoal. E a prioridade sempre estará voltada às necessidades. Aqui não pode ter espaço para o que eu quero. Pressão, no futebol, para mim, passou a ser vulgar, porque quem entrar no futebol e não se der conta de que precisa viver diariamente assim, não vai ter vida longa.”

Paulo Autuori
Diretor Técnico falou durante quase uma hora/Foto: Ricardo Duarte

Já com Paulo Autuori integrado à delegação, o Inter embarcou para o Equador horas depois da coletiva realizada no Beira-Rio. No país vizinho, o Colorado estreará, na próxima quarta-feira (06/04), na fase de grupos da Sul-Americana, título que já conquistou no ano de 2008. O adversário alvirrubro no Estádio de Jocay, em Manta, será o 9 de Octubre, e a partida está prevista para as 21h30.

“Chegar aqui é um sentimento muito grande!” Colorado desde a infância, Alemão promete empenho e trabalho com a camisa do Inter

Mais novo reforço do Clube do Povo, o atacante Alemão foi oficialmente apresentado no final da manhã desta terça-feira (29/03). Aos 23 anos, o atleta, anunciado há pouco mais de uma semana, chega ao Inter após se destacar com as cores do Novo Hamburgo, equipe pela qual marcou dois gols e deu três assistências em sete jogos do Gauchão de 2022. Natural de Santa Catarina, o jogador, que vestirá a camisa de número 35, revelou, em sua primeira coletiva como jogador colorado, a satisfação por defender o time do coração de sua família.

“Quando veio a notícia do Inter,

o time do meu coração, sempre fui colorado e minha família também,

a felicidade foi enorme!”

ALemão
Alemão (E) cumprimenta Emílio Papaléo Zin (D)/Foto: Ricardo Duarte

A coletiva de apresentação do novo atacante colorado foi aberta por Emílio Papaléo Zin, vice-presidente de Futebol do Internacional. Diante dos microfones, o dirigente alvirrubro desejou boas-vindas a Alemão, destacando a velocidade com que o catarinense tem se adaptado ao dia a dia do CT Parque Gigante, e também elucidou o modelo de negócio fechado pelo Inter com o atleta, que chega em definitivo, com a maior parte de seus direitos vinculados ao Clube do Povo, até dezembro de 2023.

“O Sport Club Internacional tem muita satisfação em apresentar sua nova contratação: o atacante Alemão, que foi destaque, como todos sabem, nesta temporada, pela Novo Hamburgo. Queremos te desejar uma excelente jornada, a casa é tua. Seja muito bem-vindo! Já está completamente adaptado ao nosso sistema, ao nosso grupo, foi muito bem recebido, e esperto todo o sucesso e que tu te realizes aqui como profissional.”

Emílio Papaléo Zin
Alemão vestirá a camisa 35/Foto: Ricardo Duarte

Sabatinado pelos repórteres presentes na sala de coletivas do CT Parque Gigante, Alexandre Zurawski não titubeou em definir o Inter como o maior desafio de sua carreira. Prospectado no futebol do Interior do Rio Grande do Sul, Alemão lembrou que a história colorada é fértil em exemplos de jogadores que chegaram de clubes de menor expressão e se tornaram referências no Beira-Rio. Para repetir o brilho desses, o atacante prometeu muito trabalho na rotina de treinamentos.

Foto: Ricardo Duarte

“Com certeza, é o maior desafio da minha carreira até agora. O time de maior expressão, a camisa de maior expressão. O futebol está cheio de exemplos. Estou construindo a minha carreira, o Inter é um clube de um nível acima, o maior que peguei até agora, e acho que a vida é feita de desafios. Vou ter um aqui, e espero me dar bem. O sucesso vem com a continuidade, com o treinamento no dia a dia. É um conjunto, e vamos buscar estar sempre trabalhando pela melhora, para o resultado aparecer dentro de campo.”

Alemão

Alemão também comentou a briga por posição no ataque colorado. Polivalente, ele surgiu para o futebol como jogador de beirada, mas há três anos já atua de maneira mais centralizada. Como referência, porém, passa longe de ser um atleta de pouca movimentação, tanto que acredita que sua mobilidade foi um dos trunfos para atrair a atenção do Inter. Agora, o camisa 35 espera seguir evoluindo tanto nas estatísticas quanto no comportamento dentro de campo.

Foto: Ricardo Duarte

“Todos os atletas que estão aqui brigam por espaço. Estou chegando agora, há pouco tempo, e já estou bem confortável aqui no Clube. Vou brigar por espaço, dar o meu melhor. Trabalhei forte em todos os clubes até agora. Há dois anos e meio, quase três, eu jogo como centroavante, e desde o começo do Gauchão eu fui muito bem. Não é só número, gols e assistências, e acho que isso se dá a minha evolução. A movimentação é muito importante para ajudar o time.”

Alemão
Alexandre Alemão durante os trabalhos com o grupo/Foto: Ricardo Duarte

Confira outras aspas:

A quase desistência do futebol

“Eu era jovem, com 16 anos, e não imaginava chegar em um nível assim. Então eu parei, fui buscar meu espaço na área do trabalho, e voltei muito por causa da minha empresária. Me viram jogando uma pelada de final de semana e me chamaram para começar com peneiras em clubes. A partir daí, foi um crescimento. Com certeza, chegar aqui é um sentimento muito grande.”

Alexandre Alemão

Como pode contribuir para o setor ofensivo

“Quando fui para o Avaí, já era centroavante, e lá tive uma ajuda do pessoal das estatísticas e da análise de desempenho. Me adaptei muito bem, tenho evoluído cada vez mais, e treinado para isso. No Novo Hamburgo, disse que buscaria muito o gol, e me destaquei marcando e dando assistências. Hoje, o treinador frisou que temos que atacar mais a área, chutar mais no gol. Isso está sendo trabalhado.”

Alexandre Alemão

“É uma camisa muito pesada”, destaca Kaique Rocha

Zagueiro de 20 anos reforça o Inter (Fotos: Ricardo Duarte)

O Colorado segue fortalecendo seu atual elenco, mas, também, de olho no futuro. Nesta lógica, o jovem zagueiro Kaique Rocha foi apresentado, na tarde desta quinta-feira (02/09), como novo reforço para a defesa. Com apenas 20 anos, ele traz na bagagem a experiência absorvida em dois anos defendendo a Sampdoria, da Itália.

Apresentado pelo vice-presidente de futebol Emílio Papaléo Zin e o diretor executivo Paulo Bracks, o promissor defensor recebeu a mística camisa 3 colorada. Ele assinou contrato de empréstimo por dois anos, com valor estipulado para compra ao término do vínculo.

Kaique foi apresentado por Paulo Bracks (E) e Emílio Papaléo Zin (D)

Os dirigentes colorados destacaram a juventude e potencial do zagueiro, bem como o formato de contratação que vem se consolidando. Paulo Bracks ainda fez um agradecimento especial para setores do Clube que ajudaram diretamente na contratação e registro do atleta.

“Ele vem de duas temporadas na Europa, onde teve um bom período de amadurecimento e experiência. Aqui no Brasil, já havia se destacado em diversas categorias pelo Santos. É mais um jogador que trazemos na mesma linha que adotamos, para nos ajudar no presente e, também, mirar no futuro”

Emílio Papaléo Zin – vice-presidente de futebol

“Gostaria de elogiar algumas áreas do Clube que são invisíveis aos olhos externos, mas que trabalharam muito para que o Kaique pudesse ser apresentando hoje: o recursos humanos (RH), o setor de registros e o jurídico. Trabalharam de forma incessante, quase que nas últimas 24 horas de janela de transferência. Conseguimos, de sábado para segunda, em menos de 70 horas, contratar e registrar o Kaique como jogador do Inter.”

Paulo Bracks – diretor executivo de futebol
Defensor já conheceu o Gigante

Com apenas 20 anos, Kaique já demonstra personalidade. Além da estatura elevada (1,95m), o zagueiro sempre foi capitão nas equipes de base do Santos e teve um aprendizado especial na Itália, terra de grandes entusiastas e craques da arte de defender.

Amadurecimento
“Acabei saindo muito jovem do Brasil, com 18 anos, mas não acho que foi uma decisão precipitada. Não atuei muito na equipe profissional, joguei 20 jogos no sub-19 quando cheguei na primeira temporada e também fui para muitos jogos no profissional. Amadureci demais, realmente. Hoje, eu sou um Kaique muito mais experiente do que quando sai daqui com 18 anos. Aprendi muito na escola italiana, creio que seja uma das melhores para sistema defensivo.”

Pausa para adaptação
“É muito importante (a pausa no Brasileiro). Realmente, é até difícil aqui no cenário brasileiro você ter esse longo tempo de descanso. Importante para mim e para o Gustavo (Maia) podermos nos adaptar ao grupo e entender melhor o que o professor vai querer de nós na temporada”

Pronto fisicamente
“Estou, sim, há um tempo sem jogar jogos oficiais. Mas, hoje, me sinto pronto. Acabei de sair, há duas semanas, de uma pré-temporada. Me sinto no auge da minha condição física. O que o professor precisar contar comigo eu estarei pronto.”


Busca por espaço
“Prontos sempre temos que estar. Vou em busca da minha posição nos treinos diariamente, mas acho que esse não é o primeiro objetivo. Venho aqui para aprender, tem zagueiros experientes aqui no Internacional. Venho para amadurecer também, sou um zagueiro muito jovem. Vou, sim, em busca do meu lugar na equipe, mas quem tem que ficar preocupado não é a gente e, sim, as equipes adversárias. Cuesta e Bruno estão bem na defesa, quem eles forem enfrentar vai saber que irá pegar uma defesa difícil de passar. Quem ganha é o Internacional”

Mística camisa 3
“É uma camisa muito pesada. Espero um dia poder chegar aos pés do Índio, um zagueiro multicampeão aqui no Inter. Espero ser comparado com ele algum dia. Não penso em voltar agora para Europa, espero fazer história no Inter e fazer a torcida feliz.”

Escola italiana
“No Santos, eu gostava de sair muito e me aventurar no setor de ataque. Tive que aprender a me adaptar na Europa, ficar mais recuado e fazer meu trabalho mesmo como zagueiro, não sair muito da minha função. Lá, eles optam muito pelo sistema defensivo, a primeira meta é não sofrer gols. A primeira coisa que zagueiro tem que fazer é isso. O Kaique que volta pro Inter é mais maduro e experiente nesse tema.”

Sim ao Inter
“É o Internacional. Mesmo que não me apresentassem nada, pesaria em todos os sentidos (vir para Porto Alegre). Uma camisa gigante no futebol brasileiro. Se não for o maior, é um dos maiores clubes do país. Um grupo muito bom, vamos tentar terminar o Brasileiro bem e, no ano que vem, buscar títulos para nossa torcida.”

Aprendizado com Ranieri
“Não tenho preferência por qual lado jogar. Joguei no Santos seis anos pelo lado esquerdo. Na Europa, aprendi com o mister (Claudio) Ranieri, campeão da Premier League. Ele me falou que não poderia me limitar a somente um lado. Ele me ensinou muito nesses dois anos a atuar tanto no lado direito da defesa como lateral. Esses dois anos não foram em vão para mim.”

Veja a coletiva na íntegra:

Ficha técnica:
Nome: Kaique Rocha Lima
Data Nascimento: 28/02/2001
Local Nascimento: Taboão da Serra-SP
Altura: 1,95m

Carreira:
2013 | Santos
2019 | Sampdoria
2021 | Internacional

Saiba mais sobre o zagueiro

Formado no Santos, Kaique foi capitão dos times nas categorias de base e acabou promovido aos profissionais em 2018. Aos 16 anos, assinou seu primeiro contrato profissional e acabou negociado com o futebol europeu em 2019.

O defensor terminou o seu período de formação na Itália, jogando com regularidade pelo time júnior da Sampdoria. Em 2020, foi chamado ao grupo principal e estreou em partida da Copa Itália, em outubro. Kaique também tem no currículo convocações para as seleções de base do Brasil. Em 2019, foi chamado para seleção sub-18. Na época, defendeu o país junto com o atacante Yuri Alberto, que também era seu companheiro no clube paulista.

“É uma oportunidade de ouro”, exalta Gustavo Maia

Atacante falou pela primeira vez com a camisa 7 colorada (Fotos: Ricardo Duarte)

Mais um jovem talento agrega o elenco colorado! Desta vez, o atacante Gustavo Maia, que vem do Barcelona, da Espanha, para alçar voo no Internacional. Formado na base do São Paulo, ele chega por empréstimo até 31 de dezembro de 2022, com valor estipulado para compra ao término do vínculo.

O atleta foi apresentado no final da tarde desta segunda-feira (30/08), ao lado do vice presidente de futebol, Emílio Papaléo Zin, e do diretor executivo, Paulo Bracks. Emocionado ao receber a histórica camisa 7 do Clube do Povo, o jovem talento ressaltou a “oportunidade de ouro” em vestir o manto colorado.

Atleta foi apresentado por Paulo Bracks (E) e Emílio Papaléo Zin (D)

“Além de um ano na Europa, tem uma larga experiência nas seleções brasileiras de base, onde deixou uma boa impressão a todos que o viram. O Inter dá as boas-vindas e estamos muito contentes com a tua chegada. Conte conosco, com todo nosso apoio para uma rápida adaptação e prontamente seja mais um a somar nesse nosso grupo já tão qualificado.”

Emílio Papaléo Zin – vice-presidente de futebol

“É o nosso sexto reforço esse ano. Estamos sendo bastante criteriosos nas contratações, dentro de uma análise igualmente minuciosa, para que os atletas sejam apresentados para o presente e futuro do Clube.”

Paulo Bracks – diretor executivo de futebol
Gustavo Maia reforça o ataque colorado

Apesar da pouca idade, o garoto mostrou personalidade e que está totalmente focado nos objetivos em Porto Alegre. Garantiu estar bem fisicamente, com gana de mostrar serviço nos treinamentos e agarrar a oportunidade.

Confira os principais trechos da entrevista:

Posicionamento
“Gosto de jogar pela ponta. Ponta esquerda, ponta direita ou centralizado. Não tenho problema com posição, já joguei até de lateral. Pode contar comigo para qualquer posição.”

Experiência no Barcelona
“Minha passagem pelo Barcelona durou um ano. Pude aprender com muitos jogadores lá. Tive a oportunidade de fazer alguns treinos no time A. É um clube muito grande, com estrutura espetacular. Foi uma boa experiência.”

Atacante de 20 anos conheceu o Gigante

Expectativa
“Estou com as melhores expectativas para chegar, jogar, trabalhar duro no dia a dia. Assim, ter oportunidades nos jogos. Meu maior objetivo é fazer história no Clube e poder continuar aqui.”

“Novos” colegas
“O Inter tem um grupo muito qualificado, com grandes jogadores. Tive o prazer de jogar com o Mauricio e o Yuri na Seleção. Vim para agregar e, com a ajuda do grupo, poder evoluir.”


Camisa 7
“É uma emoção que não cabe no peito usar a camisa número 7, que foi de Taison e outros ídolos. É uma honra para mim. Pode ter certeza que vou honrar essa camisa com garra, vontade e muito foco.”

Nova oportunidade
“No Barcelona, faltou um pouco de adaptação e ritmo de jogo. Acho que estou pronto para jogar aqui no Inter. É uma oportunidade de ouro que estou tendo aqui. É um clube espetacular, com jogadores incríveis.”

Aprender e evoluir
“Eu tenho muito a aprender aqui com os jogadores mais experientes do grupo, como o Edenilson, o Paolo Guerrero, entre outros. Estou aqui para evoluir, mostrar meu futebol. Tenho certeza que darei muitas felicidades para o torcedor colorado.”

Veja a apresentação na íntegra:

Ficha técnica:
Nome: Gustavo Maia da Silva
Data Nascimento: 22/01/2001
Local Nascimento: Brasília
Altura: 1,68m

Carreira:
2015 | São Paulo
2020 | Barcelona
2021 | Internacional

Conquistas:
2016 | Copa do Brasil sub-15
2017 | Taça BH sub-17
2017 | Copa Ouro sub-17
2018 | J League Challenge Cup sub-18
2020 | Torneio Internacional sub-20 (Brasil)