Top 10: clássicos da literatura colorada

Não é só dentro de campo que o Inter faz seus gols de letra. Fora dele, também. A literatura colorada é recheada de clássicos que enriquecem a cultura do futebol e seu papel como agente social. Na abertura desta semana, separamos 10 indicações de livros que envolvem a nossa história para a torcida ler em casa em tempos de pandemia e ampliar seu conhecimento sobre o Clube do Povo. 

Com autoria de renomados escritores, como Luis Fernando Verissimo, ou grandes ídolos, como Paulo Roberto Falcão, as obras são altamente indicadas para a estante ou cabeceira de todo e qualquer torcedor colorado, dos novos aos mais experientes. Você conhece a história de Abílio do Reis, homem que descobriu centenas de craques colorados? Ou a relação de Escurinho com o samba e a Cidade Baixa? E os colorados que conquistaram o primeiro título da Seleção Brasileira fora do país?  

Confira essas e outras histórias nesta lista imperdível para amantes da literatura e do Clube do Povo!


O Time Que Nunca Perdeu
Autor: Paulo Roberto Falcão
Editora: AGE
Ano: 2009

Um livro para ficar na cabeceira de qualquer colorado. Simplesmente essencial. Qual fã de futebol no Brasil nunca ouviu falar no Inter de 1979? O único time a vencer o Campeonato Brasileiro de forma invicta. Feito até hoje inigualado. Três décadas após a conquista, o grande maestro daquele time presenteou os colorados e coloradas com histórias inéditas dos bastidores, contadas pelo próprio craque.

Paulo Roberto Falcão analisa e comenta jogo a jogo no livro, contando com a colaboração de praticamente todos os jogadores daquele elenco, e trazendo episódios de vestiário e de campo. O lendário camisa 5 ainda destaca como o trabalho do treinador Ênio Andrade e do preparador físico Gilberto Tim era executado com maestria fora das quatro linhas.


No Último Minuto
Autor: Jones Lopes da Silva
Editora: Multilivros
Ano: 2011

Mais que um atleta, Escurinho foi uma personalidade de Porto Alegre. Exímio na arte do futebol e do samba, nascido e criado no mesmo berço que o Clube do Povo. O jornalista Jones Lopes da Silva apresenta, em ‘No Último Minuto – A História de Escurinho: Futebol, Violão e Fantasia’, a vida de Luís Carlos Machado, o talismã colorado nos anos 1970.

Desde cedo, o coração de Escurinho se dividia entre a bola e a música. Exemplo disso foi o ano de 1974, quando não só compôs o enredo da Imperadores do Samba no Carnaval, como também foi o goleador do Campeonato Gaúcho, no ano do hexacampeonato colorado. Os gols decisivos, os títulos, a música, a boemia, a criação simples na região da Ilhota – reduto negro da Cidade Baixa e berço das origens do Inter. Tudo isso e muito mais é contado nas páginas desta obra essencial para todo colorado.


Autobiografia de Uma Paixão 
Autor: Luis Fernando Verissimo
Editora: Ediouro
Ano: 2004

Um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos, com mais de cinco milhões de livros vendidos, cronista consagrado, desenhista, músico e colorado. Muito colorado. Em paralelo ao seu caminho de sucesso na cultura brasileira, Luis Fernando Veríssimo teve sua vida permeada pela paixão alvirrubra. É este lado do escritor que é revelado em ‘Autobiografia de Uma Paixão’. São as memórias do guri da Felipe de Oliveira, da Vó Elma, dos Eucaliptos, de suas escolhas pessoais e como o Clube do Povo esteve presente nisso tudo. Que honra ter Verissimo conosco!


Nosso Capitão
Autor: Sadi Schwardt
Editora: Libretos
Ano: 2017

“O capitão de uma equipe não representa apenas os colegas e o treinador. Ele é também representante da própria instituição simbolizada pelo escudo da camiseta que veste. Diria que, em última instância, o capitão representa os milhões de torcedores que expressam a força da paixão humana pelo esporte mais popular do mundo”.

Sadi Schwardt, capitão colorado nos anos 1960, vereador de Porto Alegre e radialista.

Grande obra de um craque que nos deixou há pouco tempo, em fevereiro do ano passado, a autobiografia carrega, em mais de 200 páginas, as memórias de um dos maiores laterais-esquerdo da história gaúcha, eleito o melhor do Brasil em 1967 e 68, e um dos primeiros com característica de avanço. Além de recordações e fotos, traz um panorama do Inter, da Seleção Brasileira e do Rio Grande do Sul durante a época da ditadura militar.


1956 – Uma Epopéia Gaúcha no México
Autor: Eduardo Valls
Editora: WS Editor
Ano: 2005

A história de quando o Brasil foi o Inter e o Inter foi o Brasil, em 1956. Contando apenas com jogadores de times gaúchos, a Seleção do técnico Teté, o Marechal das Vitórias, deu aula no Pan-Americano daquele ano e desbancou a favorita Argentina, do craque Di Stéfano. Além do treinador, o Clube do Povo cedeu oito jogadores que foram destaques na campanha: Florindo, Oreco, Odorico, Luizinho, Bodinho, Larry, Jerônimo e Chinesinho. Era a base do Rolinho dando show no México. O escritor e jornalista Eduardo Valls conta com detalhes a histórica conquista, a primeira do Brasil em terras estrangeiras.


Abílio dos Reis, Garimpador de Talentos
Autor: Abrão Aspis
Editora: Acadêmica
Ano: 1995

Talvez os mais jovens não tenham a dimensão de quem foi Abílio do Reis para o Internacional. Homem que não apenas garimpou como lapidou gerações de craques colorados. Um olhar clínico inigualável que ajudou o Clube do Povo a revelar craques como Falcão, Carpegiani, Mauro Galvão, Claudiomiro, Dunga e centenas de outros, seja prospectando ou aperfeiçoando cada um deles.

Publicado em 1995 pelo autor Abrão Aspis, o livro ‘Abílio dos Reis – O Garimpador de Talentos’, conta a trajetória deste que foi inegavelmente o maior descobridor de talentos do futebol gaúcho. O livro ainda conta com prefácio de ninguém menos do que Luis Fernando Verissimo.


Meu Coração é Vermelho
Autor: Ruy Carlos Ostermann
Editora: Mercado Aberto
Ano: 1995 

Em uma homenagem aos 90 anos do Inter, o jornalista e filósofo Ruy Carlos Ostermann brindou a torcida colorada com uma fina obra repleta de informações, depoimentos de ídolos, fotos e encontros brilhantes. Craque da comunicação, o ‘Professor’ passeia pela trajetória alvirrubra com sua inigualável destreza, trazendo entrevistas exclusivas e detalhes sobre capítulos importantes de nossa história. O livro conta ainda com uma reunião de colorados ilustres: Cláudio Cabral, Luis Fernando Verissimo, Ibsen Pinheiro e muitos outros.


Os 10 Mais do Internacional
Autor: Kenny Braga
Editora: Maquinária
Ano: 2009

Colorado apaixonado e jornalista consagrado, Kenny Braga lançou, no ano do centenário, uma lista detalhada dos seus 10 maiores ídolos do Clube do Povo. O time de craques, que têm suas trajetórias e façanhas esmiuçadas no livro, é composto por Carlitos, Tesourinha, Oreco, Claudiomiro, Figueroa, Valdomiro, Carpegiani, Falcão, Manga e Fernandão.


Meu Pequeno Colorado
Autor: Luís Augusto Fischer
Editora: Belas Letras
Ano: 2008

Em uma deliciosa viagem pela história do Internacional, um clube que nasceu em berço humilde, acolhendo as pessoas simples, e conquistou o mundo, o autor acende a faísca da paixão alvirrubra no coração dos coloradinhos e coloradinhas. A obra faz parte da coleção ‘Meu Time do Coração’ e trata de uma história singela, porém poderosa, que não fala apenas de futebol, títulos e ídolos, mas de espírito esportivo, amizade e união. 


A Conquista de um Sonho
Autor: Otavio Rojas
Editora: Nova Prova
Ano: 2007

Nada mais genuíno e emocionante do que torcedores falando de sua paixão, ainda mais aqueles que testemunharam o momento mais importante da trajetória colorada. Esta obra traz 102 histórias de torcedores, dirigentes e conselheiros que estiveram junto ao Inter na conquista do Mundial de 2006, no Japão, sobre o poderoso Barcelona, da Espanha. São pessoas comuns que tiveram, talvez pela primeira vez, a oportunidade de escrever em um livro relatos sobre o time de coração. A obra é organizada pelo conselheiro e ex-dirigente colorado Otavio Rojas.

Projeto Criança Colorada comemora 20 anos de história

Quem tem o hábito de ocupar as arquibancadas e cadeiras do Beira-Rio tão logo os portões de nossa casa são abertos, sabe: a primeira música a contagiar o estádio não é o ‘Celeiro de Ases’ ou algum cântico da torcida. Antes do Vamo, Vamo Inter e da Camisa Vermelha, ou mesmo do anúncio da escalação e do aquecimento dos jogadores, as cordas vocais do Gigante começam a ser testadas assim que entoado o hino do Criança Colorada, projeto que completou, em abril, 20 anos de história.

Sport Club Internacional · Hino do Projeto Criança Colorada

Criado nos primeiros dias do quarto mês de 2000 com o objetivo de promover o Inter junto às crianças de nossas escolas, apresentado a importância do Clube nos cenários futebolísticos estadual, nacional e mundial, o Projeto é o mais antigo institucional do Colorado. Em linhas gerais, o Criança propicía aos participantes uma atividade lúdica que exercita a paixão, a cidadania e o bom relacionamento, levando jovens para o Beira-Rio e permitindo que esses tenham contato com os ídolos alvirrubros. “É o projeto social mais longevo do Inter. Nunca tivemos algo de 20 anos ininterruptos. Por quê? Pois é um investimento no futuro! Quantas crianças, por exemplo, que há 20 anos tinham 10 de idade, não viraram sócias do Clube hoje?!” enfatiza Otávio Rojas, criador e desenvolvedor do Criança Colorada ao lado de Andréa Rotunno.

Atingir duas décadas consecutivas de atuação não é um feito simples, ainda mais considerando o engajamento do Criança Colorada, que, ao todo, já permitiu a cerca de 78.000 jovens a inigualável sensação de pisar nos gramados que sediam partidas do Inter. No Beira-Rio, vale destacar, a criançada assiste ao jogos reunida em setor reservado, e recebe, ainda, uma bandeira do Clube e um lanche, distribuído no intervalo. Tamanha dedicação, inclusive, rendeu ao Projeto homenagem na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, com a realização, em abril de 2019, de ato solene no Plenário Ana Terra. Já em 2020, os 20 anos de história foram celebrados com a criação de um logo comemorativo, desenvolvido pelo artista Gonzalo Rodríguez.

O Criança também já recebeu a visita de ídolos, a exemplo de Leandro Damião, em 2017, e possibilitou encontros emocionantes, como quando o potiguar Luigi Scala, neto do ídolo colorado Scala, realizou o sonho de conhecer e caminhar no relvado do Beira-Rio após atravessar o país. A receita para tamanho sucesso, de acordo com Otávio, passa por uma estruturação adequada. “Muitos clubes tomam o Projeto como inspiração, admiram e reconhecem nossos critérios e padrões. As crianças são orientadas a virem uniformizadas. Camisa vermelha, calção e meias brancos. Recebemos, em média, 100 inscritos por jogo, embora apenas 22 entrem em campo com as atletas. Esses são decididas por sorteio. Mas a inscrição é livre para jovens de 5 a 11 anos com, no máximo, 1,50m, atendendo às orientações da CBF. Mesmo quem não sobe ao campo com os jogadores passeia e fica no gramado durante o pré-jogo e assiste à partida no setor reservado. E o Internacional não gasta nada com isso. Todo o Projeto é patrocinado. Isso comprova a organização!”

Fundamental para promover o constante rejuvenescimento de nossa torcida, o Criança Colorada torna cada jovem participante um membro ativo da identidade vencedora e plural alvirrubra. Além disso, ao viver intensamente um Dia de Inter, a criança se apaixona pelo Clube do Povo e dissemina este sentimento em sua família. “É um projeto que tem credibilidade, e essa palavra é muito forte. Ele age em benefício do Clube para formar crianças coloradas. Criança no estádio é paz. Se a criança vem, a família também vem. E aí, conhecendo o Beira-Rio, o jovem pega gosto e quer ser sócio, quer associar a família. Temos uma sala extremamente bem equipada para receber os pais, ao lado da Universidade Colorada. Eles chegam e fazemos questão que entrem para atestar o nível do atendimento. Nos preocupamos em acolher a todos.”

Clique no logo para conhecer os procedimentos do Projeto!

Apoiado por Cervieri Engenharia, Coca-Cola e Nutripão, o Criança Colorada garante ao Inter que, apesar do correr dos anos, o surgir do amanhã seguirá sempre radioso de luz para o Colorado. Afinal de contas, graças ao Projeto existirão, mesmo nas plagas mais distantes, aqueles que, criados levando a bandeira para o estádio e herdeiros de um amor verdadeiro e interminável, estarão eternamente dispostos a exaltar o Alvirrubro na luta por seus feitos relevantes. Porque, como diz o hino, a sina da gurizada encantada sempre vira o orgulho pelo pano encarnado, da raça e do sangue que nos fazem colorados.