O primeiro voo de Falcão: no dia do aniversário do ídolo, relembre a estreia do craque pelo Inter

As derrotas não são parte da rotina colorada. Por mais raras que sejam, no entanto, elas não só já ocorreram, como, por vezes, eternizaram-se em nossa história. Algumas, por exemplo, foram comemoradas como verdadeiras vitórias, vide a nebulosa jornada de Quilmes, em 2010. Outras, por não significarem um obstáculo nas caminhadas do Clube do Povo rumo a suas conquistas, acabaram ficando marcadas não pelo tropeço que representaram, e sim pelos aspectos positivos que legaram como aprendizado. Este último é o caso de revés que marcou a estreia oficial do aniversariante desta sexta-feira (16/10), Paulo Roberto Falcão, que comemora 67 anos de idade.


O Clube do Povo levou mais de quatro anos para perder a invencibilidade contra times do interior gaúcho no Beira-Rio. O adversário capaz de quebrar a série colorada foi o Esportivo, comandado por Ênio Andrade e vitorioso, em 15 de abril de 1973, por 2 a 1. Afora o resultado negativo, porém, atualmente a partida traz boas lembranças à torcida vermelha. Naquele domingo de outono, o Gigante presenciou a estreia oficial de cabeludo meio-campista de 19 anos tratado como uma promessa do futebol. Seu nome? Paulo Roberto Falcão.

Falcão, em pé no canto direito, nos tempos de Celeiro

O futuro camisa 5 do Inter já gozava de grande prestígio junto ao povo vermelho, consequência do alto nível apresentado em suas exibições nas categorias de base, sobretudo nas preliminares promovidas no Gigante. Sua proeminência em meio aos mais jovens era tamanha que, mesmo sem ter disputado uma única partida como profissional, fora convocado para os Jogos Olímpicos de 1972, disputados em Munique.

Para o Inter, a derrota em casa não se desdobrou em maiores problemas. O revés, ressalte-se, foi o único sofrido na espetacular campanha dos comandados de Dino Sani no Campeonato Gaúcho de 1973. O Clube do Povo, assim como seu maior rival, disputou apenas a fase final do Estadual, realizada entre doze equipes. Para além da partida contra o Esportivo, o Colorado, praticamente impecável, acumulou 17 vitórias e quatro empates, com 43 gols marcados e 10 sofridos, campanha vencedora dos dois turnos e, portanto, campeã. O título foi o quinto seguido na caminhada rumo ao inédito e jamais igualado Octa!

Clube do Povo seria Octa gaúcho na década de 70. Na foto, Falcão está ao centro, junto de Rubens Minelli

É provável que o excelente aproveitamento no Campeonato tenha contribuído para o esquecimento dos aspectos negativos que resultaram do confronto do dia 15 de abril. Sobre o jogo, inclusive, quem roubou a cena, apesar do ilustre estreante, foi Décio, autor dos dois gols visitantes. Para o Colorado, quem marcou foi Dejair. A escalação do Clube do Povo para a partida contou com Schneider no gol; Arceu, Figueroa, Bibiano Pontes e Jorge Andrade na defesa; João Ribeiro, Carbone, depois Falcão, e Carpegiani no meio; além de Valdomiro, Claudiomiro e Dejair, depois Escurinho, no ataque.

Falcão treina observado por Dino Sani/Foto: Revista Placar, Divulgação

Consta que, no dia seguinte ao prélio, durante treinamento no Beira-Rio, Sani questionou a Paulo César Carpegiani o que ele achara da breve exibição do outro Paulo, o Roberto. Carpegiani, que poucos anos depois comandaria o Flamengo na vitória sobre o Liverpool, no Japão, comprovou o olhar diferenciado que tinha para o futebol ao pedir para o técnico do Inter que escalasse Falcão ao seu lado, pois, juntos, seriam capazes de dominar qualquer partida, independente do adversário.

A conversa com Carpegiani pareceu convencer o comandante colorado, que, aos poucos, deu mais oportunidades para o jovem. Em breve, a aposta se provaria extremamente acertada. Se é verdade que não foi um dos protagonistas na caminhada do pentacampeonato estadual, o futuro Rei de Roma soube cavar sua vaga entre os titulares do Inter. Tanto que, no ano seguinte, quando o Clube do Povo conquistou o Hexa, Falcão já estava consolidado entre os 11 iniciais da equipe vermelha, posição que seguiria ocupando ao longo de toda a década. E que década!

Maior camisa 5 da história do futebol brasileiro, entre os principais meio-campistas da história do esporte, três vezes dono do país para na sequência ser coroado monarca na Itália. Jogador cerebral e moderno, à frente de seu tempo, que ao longo da carreira esbanjou dribles, assistências e gols magistrais. Este foi – e é – Falcão.

Nem o mais criativo romancista, porém, poderia elaborar a história deste ídolo nacional, e, principalmente, do Inter, iniciada por uma derrota. Um revés que serviu de abertura para uma narrativa Gigante, à altura do palco de sua infeliz alvorada. Obrigado por tudo, Rei Falcão, e um feliz aniversário!

Rei Falcão, colorado e campeão!

Mais de 9500 colorados acompanharam a final da Copinha no Pacaembu

Um sábado para ficar marcado para sempre na memória do torcedor colorado: o dia em que São Paulo viu um clássico Gaúcho tomar conta da cidade. Um 25 de janeiro colorido pelo vermelho e branco de uma equipe que entregou até a última gota de suor em campo. Repetindo os feitos de 1974, 1978, 1980 e 1998, após um jogo de acirrar os ânimos, a equipe sub-20 colorada sagrou-se campeã, pela quinta vez, da Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Quem, desde o início, esteve acompanhando a campanha das jovens promessas coloradas foi a massa alvirrubra – colorados paulistas e aqueles que viajaram centenas de quilômetros para estar lado a lado com a equipe. Juntos, vestindo o manto sagrado, apoiaram a gurizada durante os mais de 90 minutos. O coração de quem não pode estar no Pacaembu sentiu-se bem representado, já que cerca de 9500 colorados estiveram presentes em um estádio distante mais de mil quilômetros da nossa casa. Isso prova aquilo que nós colorados já sabíamos: o Inter é Gigante!

O número de colorados em solo Paulista elevou-se nos últimos anos. Nessa expansão, entra em cena o trabalho que é realizado pelo departamento de Relacionamento Social do Clube junto aos representantes colorados longe de Porto Alegre. Em 2013 eram nove consulados; atualmente contabiliza-se mais de 60. A prova disto aconteceu, não só no jogo final, mas em toda a Copinha. Afinal, onde tem jogo do Inter, tem torcida e consulado representando o Clube do Povo.

Os destaques da campanha pentacampeã da Copa São Paulo

É campeão! Após superar o Grêmio por 3 a 1 nos pênaltis, em partida encerrada com o 1 a 1 no tempo normal, o Celeiro de Ases se sagrou campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior no início da tarde deste sábado (25/01), dia em que a capital paulista completa 466 anos. Agora pentacampeão do torneio, o Inter se iguala ao Fluminense como segundo maior vencedor da história da Copinha. Conquistado com autoridade, o quinto título foi erguido após campanha de nove jogos, seis vitórias e três empates. Invicto, o Clube do Povo balançou as redes adversárias em 16 ocasiões, sendo vazado apenas quatro vezes. Campanha maiúscula, construída ao longo de 23 dias, e recheada de destaques.


Paredões colorados

Goleiro menos vazado da competição, Emerson Júnior disputou oito das nove partidas do Inter na Copinha. Seguro sob as traves, o arqueiro ainda se provou extremamente habilidoso com os pés, destacando-se com reposições de altíssimo nível, além de participar ativamente da saída de bola colorada. Superado em somente quatro oportunidades, o camisa 1 do Clube do Povo foi fundamental em diversas ocasiões, e soube crescer na fase eliminatória. Contra Corinthians e Grêmio, por exemplo, nas respectivas semi e final, brilhou com milagres que contribuíram diretamente para os triunfos alvirrubros.

Reserva na meta vermelha, Vitor Hugo também correspondeu quando alçado a campo nesta edição da Copa São Paulo. Titular na terceira partida da fase de grupos, disputada diante do Capivariano debaixo de intensa chuva, exibiu muita atenção e experiência para não ser enganado pela água que encharcou o campo do Estádio Antônio Lins Ribeiro Guimarães. Henrique Dias, terceiro arqueiro, merece, igualmente, reconhecimento por sua participação no grupo campeão.


Um time bem treinado começa, também, por uma zaga encaixada

A defesa colorada esteve em evidência nesta edição da Copa São Paulo. Titulares nas duas primeira partidas da competição e também no confronto de 32 avos diante do Volta Redonda, Pedro Henrique e Tiago Barbosa transmitiram muita segurança à Maior e Melhor Torcida do Rio Grande, que presenciou, na dupla, entrosamento digno dos grandes miolos de zaga que já vestiram o manto do Internacional.

Convocado por Eduardo Coudet para integrar a pré-temporada do grupo profissional, Pedro retornou para Porto Alegre no início da segunda dezena de janeiro. Em seu lugar assumiu Carlos Eduardo, camisa 14 que atuara em todas as partidas da fase de grupos. Dono de excelente passe com a perna canhota, o defensor não somente manteve o alto nível da retaguarda colorada, como também acrescentou, e muito, à saída de bola alvirrubra. Adriel, de boa exibição no duelo diante do Capivariano, e Cazzetta foram os outros zagueiros relacionados pelo Inter para a competição.


A força das alas do Clube do povo

A torcida colorada passou boa parte do mês de janeiro agradecendo ao destino por ter convencido Lucas Mazetti e Leo Borges, laterais colorados, a escolherem o futebol, e não o atletismo. Donos de pulmão invejável, os camisa 2 e 6 do Inter deram trabalho para absolutamente todos os adversários do Clube do Povo na Copinha. O direito, por exemplo, deu assistência logo na primeira partida, contra o Confiança-PB, e repetiu o feito nas oitavas, diante do RB Brasil.

Pela esquerda, Leonardo foi fundamental nos 16 avos, versus Desportivo Brasil, e nas quartas de final, diante do Botafogo-SP. Em ambos os duelos, de sua perna canhota a partiu cruzamento capaz de gerar grande confusão na área rival. Na primeira partida, o lateral originou jogada do primeiro gol colorado, enquanto, contra a equipe de Ribeirão Preto, a bola que alçou foi parcialmente cortada e acabou encontrando Praxedes, que anotou um golaço, abrindo o placar para o Clube do Povo na ocasião.

Atleta da confiança do técnico Fábio Matias, o lateral-esquerdo Thális atuou em todas as partidas do Inter na Copinha. Seja jogando pelo flanco ou como meia, o jovem de 18 anos acumulou minutos em campo com a camisa colorada, e exerceu grande protagonismo nas oitavas de final, contra o RB Brasil, quando classificou o Celeiro de Ases ao converter sua cobrança, a sexta do Clube do Povo na disputa. Titular contra o Capivariano, o ala Carrijo foi outro de contribuição destacada na Copinha.

Celeiro de Craques

O elenco pentacampeão da Copa SP comprova a máxima de que o meio de campo é lugar para craques. Em consonâcia com o restante do time, o setor cerebral do Celeiro apresentou e também afirmou grandes nomes da equipe colorada.

Sempre escalado com três atletas pelo centro, o Inter contou, na função de primeiro volante, com excelentes exibições de Volnei e Murilo. O primeiro iniciou a Copinha como titular e chegou a atuar como zagueiro, nas quartas, tamanha sua qualidade para defender. Já Murilo, camisa 15, agregou muito à circulação de bola alvirrubra quando alçado aos 11 iniciais, tendo, inclusive, participação decisiva no segundo gol do Clube do Povo contra o Botafogo-SP, nas quartas de final.

Do alto de seu 1m81cm, Igor também somou grandes atuações na Copinha, a ponto de se tornar figura frequente nos confrontos decisivos por sua imposição física, fundamental nos momentos em que o Celeiro de Ases, à frente no placar, precisou se adaptar à pressão adversária. Lucas Ramos igualmente somou muitos minutos em campo, sobressaindo-se como um atleta versátil, capaz não apenas de desempenhar as três funções de meio como também jogar aberto na ponta.

Cesinha e Praxedes, Praxedes e Cesinha. Poema para os ouvidos do povo colorado, a dupla de meio-campistas do Celeiro na Copinha encantou o país. Capitão e camisa 10, César Coelho Campos Júnior marcou três gols na competição, número que o alça ao posto de artilheiro alvirrubro no torneio. Matador e frio, o atleta teve atuação destacada nas finais, seja oferecendo assistência, como contra o Corinthians, ou balançando as redes, a exemplo do que fizera diante do Botafogo-SP.

De sua parte, Bruno Praxedes conquistou a torcida colorada com sua afiada perna canhota. Autor de golaço logo na primeira rodada, voltou a balançar as redes, em outra pintura, já nas quartas de final. Um dos craques da Copa São Paulo, atua por todo o campo, ocupando espaços de área a área. Apesar dos poucos 17 anos, o camisa 8 demonstrou, ainda, mentalidade digna dos mais experientes praticantes do esporte bretão, sempre consciente quanto ao momento de acelerar ou esfriar o jogo.


Pontaria afiada

O Inter marcou 16 gols na competição, sendo nove destes anotados por atacantes. Poderosa, a linha de frente do Celeiro de Ases iniciou a Copa São Paulo tendo Matheus Monteiro, Nicolas e Caio como titulares. Camisa 7, o primeiro do trio se provou um verdadeiro ponta, acumulando, ao longo do torneio, arrancadas cinematográficas, imparáveis como a que resultou no gol colorado na grande decisão. Em números gerais, Matheus encerrou a Copinha com 3 gols marcados e 3 assistências dadas.

De sua parte, Caio encheu os olhos principalmente dos apaixonados por futsal. Legitimo pivô, o centroavante colorado sabe usar o corpo para se impôr contra defesas formadas, muitas vezes, por zagueiros mais altos do que ele. Autor de dois gols na Copinha, titular absoluto no comando de ataque colorado, por vezes deu lugar, ao longo de partidas, para Léo Ferreira. Atacante de grande estatura, Leonardo foi fundamental para a classificação do Celeiro de Ases rumo às oitavas de final ao marcar, de letra, o segundo e decisivo gol do Inter contra o Desportivo Brasil. Luiz Henrique, titular contra o Capivariano, foi o outro avante de referência do Clube do Povo presente na Copinha.

Camisa 11 autor de dois lindos gols no torneio, Nicolas desempenhou função muito importante para o Clube do Povo na competição. Somando 1m80cm, mostrou grande facilidade para realizar o facão, cortando da ponta para o meio, somando-se, assim, a Caio Vidal no comando de ataque colorado. Arma aérea, criou boas oportunidades por cima, mas foi com os pés que marcou, contra Linense e Corinthians, suas pinturas.

Guilherme Pato soube tirar proveito das adversidades para crescer no momento certo da competição. Titular pela primeira vez contra o Capivariano, foi um dos principais nomes colorados na partida, conseguindo superar o afetado estado do gramado para criar algumas das principais chances do Inter no jogo. Na fase seguinte, de 32 avos, entrou em campo no intervalo para, no último minuto do confronto, atestar seu poder de decisão ao sofrer pênalti convertido por Matheus Monteiro. O camisa 19 voltou a figurar entre os 11 iniciais nos 16 avos. Diante do Desportivo Brasil, foi dele a assistência para o gol de Léo Ferreira.

Titular na reta final da competição, Guilherme atingiu seu momento de maior brilho a partir das semifinais. Contra o Corinthians, ignorou os mais de 14 mil torcedores alvinegros que lotaram a Arena Barueri para marcar um gol(aço) e ainda servir Matheus Monteiro, autor do segundo. Na decisão, a dupla voltou a se destacar, desta vez com o camisa 7 servindo Pato, nome do tento de empate colorado. Entre as principais figuras do Celeiro de Ases na Copa São Paulo, Guilherme teve como companheiro de ataque, além dos já comentados atletas, o camisa 18 João Victor, que participou de três partidas.

Comando experiente

A atual passagem não é a primeira de Fábio Matias na casamata colorada. Após comandar a equipe Sub-17 no ano de 2016, foi alçado à categoria Sub-20 na temporada seguinte. Em 2018, o técnico capitaneou grande campanha do Celeiro de Ases na Copa São Paulo de Futebol Júnior, caminhada invicta e que, mesmo encerrada nas semifinais, garantiu ao Inter o posto de melhor ataque do torneio. Em 2019, à frente do Figueirense, Fábio chegou até as quartas da Copinha, comprovando sua vocação para a competição. O título, contudo, precisava vir em um Clube com o qual tem grande identificação, e deveria possuir, em seu DNA, semelhanças à história do profissional.

Integrante do Grupo 7 da Copa São Paulo, o Celeiro de Ases concetrou na cidade de Capivari. Por conta de problemas na estrutura do estádio do município, entretanto, as partidas do chaveamento do Clube do Povo foram realizadas em Santa Bárbara d’Oeste, terra da família de Fábio. Por lá, comandante e equipe criaram a casca necessário para a continuidade do torneio e assim, pé-quente, a terra de Matias virou, também, do Inter, graças à sorte que ofereceu ao Colorado para a disputa da competição.

Não foi só Fábio, porém, quem brilhou fora de campo. Ao seu lado, o treinador contou com equipe igualmente merecedora do título. Confira a comitiva colorada na Copa São Paulo:

Diretor geral: Fabrício Delaix
Diretores da categoria: Julio Vargas e Vilmar Milani
Gerente geral: Erasmo Damiani
Gerente administrativo: Raful Fachini
Coordenador técnico: Rodrigo Lamera
Coordenador de performance: Aldemir Calovi
Supervisor da categoria: Marco Gadenz
Treinador: Fábio Matias
Auxiliar técnico: João Miguel
Preparador Físico: João Goulart
Preparador de goleiros: Leonardo Martins
Analista de desempenho: Antônio Gabriel
Médico: Gustavo Luz Alves
Massagista: Marcos Copetti
Roupeiro: Waldacir Maciel
Fisioterapeuta: Alberto Franco
Fisiologista: Deivid Camargo
Psicólogo: Sergio Murilo
Assessor de imprensa: Leonardo Fister

Campanha do título:

Grupo 7:

Inter 3 x 0 Confiança-PB
Inter 3 x 0 Linense-SP
Inter 0 x 0 Capivariano-SP

Segunda fase/32 avos

Inter 1 x 0 Volta Redonda

Terceira fase/16 avos

Inter 2 x 1 Desportivo Brasil

Oitavas de final

Inter 1(6) x (5) 1 RB Brasil

Quartas de final

Inter 2 x 0 Botafogo-SP

Semifinal

Inter 3 x 1 Corinthians

Final

Inter 1(3) x(1)1 Grêmio

É PENTA! Inter supera Grêmio e conquista quinto título da Copa São Paulo de Futebol Júnior

É CAMPEÃO! OU MELHOR, PENTA! É CAMISA DE TRADIÇÃO, É O CELEIRO DE ASES! Uma manhã definitivamente eternizada na rica história das categorias de base do Clube do Povo. O Internacional conquistou, neste sábado (25/01), o título da Copa São Paulo de Futebol Júnior, taça levantada após vitória nos pênaltis sobre o Grêmio. No tempo normal, apesar da superioridade alvirrubra, a partida foi encerrada com o 1 a 1 no placar, gol de Guilherme Pato para o Celeiro. Chegados os tiros livres, a calma dos batedores colorados falou mais alto, e o título veio após três gols vermelhos contra somente um dos azuis.

Pacaembu virou o Beira-Rio!

Um mar vermelho tomou as nem tão distantes plagas de São Paulo e lotou as arquibancadas do Pacaembu para apoiar o Celeiro de Ases na busca do pentacampeonato da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Ocupando o Tobogã e as cadeiras laranjas do histórico Paulo Machado de Carvalho, o povo alvirrubro esteve incansável no apoio ao Inter, alegria do nosso coração, transformando o Estádio em uma verdadeira sucurssal do Beira-Rio, tomando o som ambiente da manhã paulista e calando completamente os rivais que ocuparam o lado oposto do campo. Obrigado pelo apoio, torcida colorada! Este título é nosso!

Primeiro tempo colorado

O Inter foi dono da partida na etapa inicial. É bem verdade que nos minutos inaugurais a equipe gremista ensaiou certa pressão no campo alvirrubro, apertando a saída de bola e apostando em escapadas rápidas, em velocidade, para causar problemas à defesa colorada. Em todas as chegadas, contudo, esbarrou em um gigante Tiago Barbosa, que não permitiu centímetro algum ao centroavante Fabrício, camisa 9 azul. De sua parte, o Clube do Povo criou diversas oportunidades apostando na velocidade de seus pontas Matheus Monteiro e Guilherme Pato, além de saber usar da referência do centroavante Caio Vidal para causar transtornos na retaguarda rival. Apesar de muitas, entretando, nenhuma chance foi convertida em gol, e os primeiros 45 minutos foram encerrados com o placar em branco.

Segundo etapa intensa, mas também amarrada

Os primeiros movimentos da etapa final foram completamente enlouquecedores. Poucos segundos após ser completada a primeira volta do cronômetro, Caio Vidal colocou Adriel para trabalhar, por detalhe não inaugurando o marcador. Quem o fez, injustamente, foi o Grêmio, após cruzamento de Diego Rosa que desviou em Tiago Barbosa e matou Emerson Junior. Tento azul que, para alguns do lado gremista, pareceu significar título ganho. Alison Calegari foi um deles, capaz de subir no alambrado para festejar e, por isso, levar seu segundo cartão amarelo no jogo. Três minutos após sua expulsão, aos 12, Guilherme Pato completou gigante jogada de Matheus Monteiro e empatou. Deste momento em diante, o ritmo do duelo, que poderia ser elevado, foi brutalmente atacado pelo antijogo gremista que, com muita cera, levou a decisão para as penalidades.

Essa camisa pesa!

Eram quatro os títulos em campo nesta decisão de Copa São Paulo. Todos do Inter. Tamanha tradição, no momento das penalidades, fez a diferença. Afinal de contas, o Celeiro de Ases não é a melhor categoria de base da região sul do Brasil por acaso. É bem verdade que a boa cobrança de Matheus Monteiro, que abriu as penalidades, foi defendida por Adriel, mas a precisão de Cesinha, Tiago Barbosa e Carlos Eduardo, nesta ordem, impediu qualquer lamentação. De parte do Grêmio, somente Gazão, o terceiro a bater, converteu. Seu sucessor, Gonçalves, foi, inclusive, o responsável por decretar o título alvirrubro, mandando no poste. Deste momento em diante, passaram a ser cinco as taças no gramado do Pacaembu. Todas, ainda, do Clube do Povo.

Confira os principais lances da partida:

Primeiro tempo:

6min – THIAGO BARBOSA! Elias tenta invade a área colorada mas, no momento de soltar a bomba, é precisamente travado pelo zagueirão do Inter.

10min – Emerson Júnior! Goleiro colorado faz grande defesa após chute de Rildo.

12min – UHHH! Pato exige grande defesa do goleiro Adriel, completando cruzamento de Caio. Defesa firme, no centro do gol.

14min – QUAAASE! Cesinha recebe de Matheus Monteiro, chama a marcação para dançar e cruza. Pato desvia, goleiro defende.

16min – Pato recebe de Carlos Eduardo e avança em direção à área. Forte, arremate rasteiro explode na marcação.

17min – UHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!! Caio Vidal ganha na corrida e invade a área de frente para Adriel. De canhota, o camisa 9 colorado busca o ângulo e, por detalhe, a redonda não encontra as redes da meta gremista.

21min – UHHHHHH! Cesinha gira sobre a bola, finta o defensor gremista e abre o jogo com Leo Borges, que vai ao fundo e cruza à meia-altura. Bola tinha endereço, buscando o centroavante Caio Vidal, mas Adriel deixa a meta para encaixar.

29min – Fabrício divide com Carlos Eduardo, leva a melhor, fica com a posse e invade a área. Pela ponta esquerda, o camisa 9 gremista solta o chute rasteiro, mas sem direção, direto pela lateral.

32min – UHH! Cesinha, preciso, cobra falta que ele mesmo sofrera. Forte demais, ela até supera a barreira, mas também vai por cima do travessão.

45min – Mais três. Vamos a 48.

48min – Encerrada o primeiro tempo!

Segundo tempo:

0min – Inter volta com mudança: entra Volnei, sai Murilo.

1min – COMO NÃO ENTROU? Leonardo Borges faz grande jogada pela esquerda e invade a área gremista. Para trás, o lateral cruza no pé de Caio, que manda uma bomba, milagrosamente defendida por Adriel. Na volta, o camisa 9 colorado e Praxedes tentam marcar, mas a defesa rival consegue travar os arremates em sequência. Chance incrível do Celeiro de Ases!

3min – E-MER-SON! Rildo pega a sobra de corte parcial da zaga colorada e, de primeira, manda arremate vivo, picando. Goleiro colorado, mesmo com a visão encoberta, voa no canto para defender. Começa quente o segundo tempo!

7min – Diego Rosa avança pela esquerda, supera a marcação colorada e cruza rasteiro. A bola desvia em Tiago Barbosa e mata o goleiro Emerson Junior. Grêmio na frente.

9min – NA RUA! Calegari expulso! Já amarelado, defensor gremista comemora o gol subindo no alambrado do Pacaembu e leva o segundo.

12min – Muda o Grêmio. Vem Natã, zagueiro, sai Pedro Lucas.

12min – GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL DO INTERNACIONAL! GOOOOOOOOOOOOL DO CLUBE DO POVO! DO CELEIRO DE ASES, DA ALEGRIA DO NOSSO CORAÇÃO! Matheus Monteiro faz jogada cinematográfica pela esquerda, supera três marcadores e cruza na medida para Guilherme Pato. O camisa 19, que tem no rival colorado sua vítima preferida, voa na direção da bola e empurra para dentro. Igualdade retorna ao marcador, justiça de volta ao escore. Empata a Academia do Povo!

17min – UHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! NA TRAAAAAAAVE! Praxedes cobra falta a centímetros da linha direita da área gremista. Fechada, a cobrança vai na direção do gol, supera Adriel e explode no travessão. QUASE A VIRADA!

19min – Cartão amarelo para Volnei por falta em contra-ataque gremista.

21min – E-MER-SON JÚNIOOOOOR! Elias dispara em contra-ataque rápido para o Grêmio, encara Carlos Eduardo na corrida, abre para a direita e solta a bomba. Goleiro colorado opera um milagre, salvando o Clube do Povo!

24min – UHHHHHHHHH! MATHEUS MONTEIRO, QUEM SEGURA? Camisa 7 colorado finta o marcador, puxa da ponta para o centro e solta a bomba. Por cima do travessão, levando perigo à meta gremista.

26min – SAAAAAAAAAAAALVA ADRIEL! Leonardo Borges vai ao fundo e faz excelente cruzamento para Caio Vidal, que desvia na direção do gol azul. Arqueiro gremista faz o milagre e, no rebote, ela explode nos pés do camisa 9 vermelho, saindo em tiro de meta.

27min – Parada técnica para reidratação dos atletas. Faz calor em São Paulo!

29min – Duas mudanças no Grêmio. Vitor Prado e Gonçalves entram nas respectivas vagas de Rildo e Luis Fernando.

30min – Muda o Inter! Leonardo Ferreira entra, sai Caio Vidal.

31min – Reiniciada a partida!

31min – UHHHH! Volnei recebe na entrada da área e arrisca a bomba. Ela desvia na defesa gremista e sai em escanteio.

34min – Troca o Grêmio. Wesley Moreira substitui Fabrício.

37min – Neste momento, faz muita cera a equipe gremista.

40min – No Inter, Praxedes dá lugar a Thális.

42min – MILAGRE DO GOLEIRO! Léo Ferreira e Matheus Monteiro tabelam, camisa 7 lança, e centroavante fica de frente para Adriel. Forte, camisa 20 solta um petardo, que Adriel salva com o joelho.

45min – Vamos a 50. Mais cinco de acréscimos.

46min – Diego Rosa, de frente para Emerson, recebe cruzamento e chuta rasteiro pela linha de fundo.

47min – UHHHHHHHHHHHHHH! Pato lança Léo Ferreira em profundidade. Centroavante ganha da zaga e solta uma bomba de direita, que explode na rede, mas do lado de fora. É LÁ E CÁ!

50min – Fim de jogo. Vamos às penalidades.

Pênaltis:

1 – Matheus Monteiro abre as penalidades. Adriel defende.

1.1 – NO POSTE! Vitor Prado é o primeiro gremista na bola. A redonda explode na trave direita e vai pela linha de fundo.

2 – GOL! Cesinha bate com tranquilidade, no canto esquerdo. Goleiro pula no outro.

2.1 – NO TRAVESSÃO! Wesley Moreira manda no poste superior. Dali, para cima, e não volta mais.

3 – GOOOOOOL! Tiago Barbosa manda na esquerda. Segundo do Inter!

3.1 – Gazão converte a terceira cobrança para o Grêmio.

4 -TA LÁÁÁÁÁ! Carlos Eduardo, canhoto, tranquilo, explode o barbante da cidadela azul.

4.1 – PENTACAMPEÃO! PENTACAMPEÃO! É O INTER! CAMPEÃO! CAMPEÃO! GONÇALVES MANDA NA TRAVE! É CAMPEÃO! PENTA, PENTA, PENTAAAAA!

Ficha técnica:

Internacional (1(3)): Emerson Júnior; Lucas Mazetti, Tiago Barbosa, Carlos Eduardo e Leonardo; Murilo (Volnei), Praxedes (Thális) e Cesinha; Guilherme Pato, Caio (Léo Ferreira) e Matheus Monteiro. Técnico: Fábio Matias.

Grêmio (1(1)): Adriel; Heitor, Alison Calegari, Luis Fernando (Gonçalves) e Matheus Alves; Diego Rosa, Gazão e Pedro Lucas (Natã); Rildo (Vitor Prado), Elias e Fabrício (Wesley Moreira). Técnico: Guilherme Bossle.

Gols: Thiago Barbosa, aos 7 minutos do segundo tempo (GC/G). Guilherme Pato, aos 12 minutos do segundo tempo (I).

Arbitragem: João Vitor Gobi apita, auxiliado por Leandro Matos Feitosa e Rodrigo Meirelles Bernardo. Quarto árbitro: Leandro Carvalho da Silva.

Cartões amarelos: Diego Rosa, Rildo e Calegari (G). Volnei e Mazetti (I).

Expulsão: Alison Calegari (G).

Local: Estádio do Pacaembu – SP